quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Helloooooo!


Hello girls and boy!!!!
Como vcs estãoo?? Sumida né! Sim, eu sei...

Eu estava numa crise comigo mesma, não estava afim de escrever, de falar com ninguém, mas nos últimos dias pensei tanto no blog, tanto em cada um(a) de vocês... Pessoas que se tornaram amigos de tão longe, que aqui já dividimos e compartilhamos tantas dificuldades...
Enfim, hoje me deu um despertar, tipo agora e ai resolvi escrever.

Graças a Deus, encerrando mais um ano, não do jeito que eu gostaria, mas do jeito que tem que ser, então por isso, obrigado Senhor!
Faculdade 80% já concluída, rumo ao 3º semestre.
Eu ainda procurando emprego, mas um pouco mais conformada, agradeço a Deus pelo que o amado tem sendo na minha vida, que nesse momento de dificuldade, tem me ajudado e muito, mas falo dele mais pra frente.

Meu pai, infelizmente piorou na questão do comportamento. Anda muito irritado, sempre preocupado com a questão da sua doença, mas não faz nada para mudar.
A mudança é necessária para qualquer indivíduo, mas os que não reconhecem e não desejam isso, com certeza sofrerá as consequências.
Às vezes nos estranhamos, e às vezes estamos bem. Tenho pedido a Deus que restaure a nossa comunicação, porque sinto muito quando nos estranhamos.

Amado... Ah, o amado...
O que falar dele? Ele teve uma melhora progressiva. Sim, ainda há recaídas, mas o seu comportamento, a sua maturidade, a maneira de agir, de pensar, tem mudado com o tempo.
Aprendi que as coisas não são no meu tempo e nem do jeito que eu quero, mas sim como elas tem que ser, no seu curso natural, conforme a permissão de Deus.
Foi difícil entender isso, mas é algo que tem sido "adaptado" em mim dia após dia.

Ele tem me ajudado muito, com a faculdade, com a área financeira, tudo o que ele pode fazer por mim, ele tem feito, e agradeço muito a Deus por isso.

A pedido dele, voltei para academia. Sim, eu sei que exercício é importante, que sedentarismo é ruim demais, mas eu tinha uma certa resistência com isso. E ele que sempre foi geração saúde, queria que eu voltasse; e nossos programas de finais de semana era acompanhar algumas lutas de MMA, Boxe, Muay Thai, quando tinha algum conhecido dele, isso me deu um "up". E conseguimos uma senhora promoção na Black Friday, e dai começamos!
Estamos malhando todos os dias, somente de sábado que não, por conta do horário de trabalho dele. Ganhei um tênis próprio para corrida, mais suplementos.
Então, está tudo lindo!

Meu relacionamento com sua mãe continua ótimo, estou feliz sabe! Mesmo os dois tendo atritos, ela agindo de maneira errada, eu estou fazendo o possível para manter a paz.

O pastor que nos ajuda, continua firme e forte ajudando o amado, e também meu pai! Às vezes ele sai com o amado, conversa bastante com ele, e isso o ajuda muito.
Não sei se já falei aqui, mas esse pastor era alcoólatra, e já tem anos (eu não sei quanto) que está limpo. E nada melhor que alguém que passou por um vicío te ajudar, aconselhar.

Enfim, estou feliz! Mesmo sem emprego, mesmo com dificuldades, estou fazendo o possível para ver o outro lado da vida, o bom de preferência.

Serenidade.
Até o próximo post!

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Um dia de cada vez



Um dia de cada vez, foi essa frase que eu disse a uma amiga hoje.
E nessa frase eu pude fazer uma reflexão muita rápida de tudo que já vivi e estou vivendo ao lado de um adicto.

Se não fosse um dia de cada vez, me reeducando, me disciplinando, não sei como estaria.
Mas graças a Deus, só por hoje está tudo bem!

Completei 23 primaveras no dia 25/09, foi um dia muito feliz, que confesso que é muito bom ser lembrada.
A primeira ligação, foi do amado, logo a meia noite. Depois abraços da minha mãe, meu pai, e no dia seguinte as ligações.
E o amado ainda me trouxe essas flores lindas! Ameiiiiiiiiiiii!
Chorei escondidinha de emoção com as flores e com o cartão!

Domingo, um almoço bacana numa cidade próxima aqui de Campinas, com a família e alguns amigos.
Feliz de rever alguns amigos, com a família reunida e a noite culto!

Parece que a paz está voltando entre eu e minha sogra. Ela está muito diferente, esses últimos dias saimos juntas várias vezes na semana, levei ela para resolver seus compromissos, viajamos para Guaxupé, para um casamento da família do amado.
Ela está super diferente comigo, eu estou até estranhando né.
E esses dias ela estava mal, com infecção urinaria e eu também, e dai ela me ligou para saber como eu estou, se tinha melhorado... Gente, super fiquei impressionada, mas com pé atrás, vai que muda...rs

Já o amado, ainda está na gangorra e é nitído seu sofrimento. Volto a falar, escolhas dele que eu não posso interferir.

Meu pai, ele continua super ativo, mas foi ao médico porque sentia muitas dores nas pernas.
E veio o resultado, artrose!
Isso o abalou muito, porque seu pai tinha a mesma doença, mas era bem avançada. Segundo os médicos, se ele estivesse vivo, estaria de cadeira de rodas.
Mas o caso dele está bem no início, e pelo fato de ser novo (55 anos) é algo que dá para tratar, mas não tem cura.
O médico falou que ele pode continuar trabalhando, mas tomando os remédios. Parte ruim, cada caixa de remédio custa em média R$150,00.
Se Deus permitiu isso, o que nos resta é aceitar, mas não se acomodar.
E ele se acomodou, ao ponto de querer parar de trabalhar, mas minha mãe disse que não, não é possível pelo fato dele ser hiperativo, e se ele parar irá beber mais, e isso não queremos.

E eu... Ainda estou disponível no mercado de trabalho...
Feliz por um lado, desanimada pelo outro. Mas continuo na luta, não dá pra desistir.

Caminhando e vivendo um dia de cada vez.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Pra viver, não basta existir


Olá, tudo bem com vocês?
Véspera de feriado, mas ficarei em casa.

Ainda preocupada com a tal "recolocação", mas tentando não me abaladar.
E começou a correria na faculdade, entrega de trabalhos, atividades complementares, atividades online, graças a Deus pelo menos isso para ocupar minha mente, colocando ela para trabalhar!

Esses dias tem sido difícil, como já comentei aqui, meu pai também é adicto (sua droga de escolha é o álcool), e o seu uso tornou incontrolável.
Ele está tomando uma garrafa de cachaça por dia, no máximo em dois dias.
E com esse uso incontrolável, ele está uma pessoa irredutível, áspero, rígido, para conversar com ele não dá, que qualquer coisa ele parte para discussão.

Eu nunca passei por momento assim com o amado, quando ele usa, fala demais, fica fazendo as mesmas perguntas toda hora, e aquele medo de que tem alguém atrás, o qual eu chamo de "tormento".

Mas, contudo isso, está bem difícil criar essa tolerância com meu pai, pois parece que voltou a ser uma criança novamente, a qual temos que ensinar tudo novamente.
Ele nunca usou droga (isso até onde eu sei), fumava cigarro, mas parou já tem uns 10 anos. Desde da morte do seu pai, percebemos que o seu consumo aumentou.
Alguns meses atrás ele ficou 2 semanas sem beber, mas não resistiu, começou com cerveja preta, depois uma dose de conhaque e voltou na velha cachaça.

Isso tem interferido nas finanças, nas decisões importantes, nas oportunidades, porque sua mente fechou. É sempre a mesma coisa, trabalho, muitaaaa bebida, come ou às vezes não come, dorme e vai trabalhar. Sempre o mesmo ciclo, sempre a mesma coisa, detalhe, canal de esporte 24 horas e aí de mim ou da minha mãe mudar de canal.

Já falei para minha mãe que meu pai é igual ao amado, só muda a droga de escolha e algumas atitudes, mas ela não aceita, acha que é diferente!

Enquanto o amado, continua na sua montanha russa, estava bem, mas insiste procurar "sarna" para se coçar.
Eu falei pra mim mesma, se engatar uma crise, vai ficar assim. Como diz a "Maria", vou deixar chegar no fundo da foça.
Com 34 anos, mais ou menos 20 anos de adicção, precisa conhecer mais o quê? Precisa perder mais o quê?

E meu pai? Não sei ao certo, mas acredito que seja mais de 30 anos de adicção. Tudo começou com o "beber socialmente" que não dá nada.
Mas os resultados o rosto já reflete!

Quanto tempo se passou, quantas histórias, quantas clínicas... Tudo passa nessa vida, e se você não tiver no caminho certo, você vai ficar pra trás e talvez seja difícil de recuperar algumas coisas que passaram nesse período.

Duas pessoas que eu amo, sofrendo do mesmo mal.
Mas a escolha é somente delas.

Se perguntar se eu sofro, minha resposta é "não", claro que ficamos triste com algumas atitudes, sentimos pela pessoa, mas o complemento da minha resposta é ELES SOFREM BEM MAIS e escolheram continuar sofrendo!

Continuo pedindo ao Poder Superior que os abençoem e que abra a mente deles, e que saibam fazer a escolha certa em tempo RECORDE, antes que ela os consuma.

Esse é o meu desejo de hoje, para os meus dois amores, para minhas duas paixões, para os dois homens da minha vida!

Entendam esse post como um alerta, ambos começaram na juventude e hoje continuam escravos desses males.
Dê importância a sua vida, a verdadeira qualidade de vida! É possível ter uma vida plena e de qualidade sem drogas.

Infelizmente para as pessoas que são escravos de um vicío é difícil se livrar dele, pois cada um tem sua dificuldade, sabe onde o "sapato" aperta, mas não é impossível.
Não perca tempo, viva a vida!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Está tudo bem!


Oláa, tudo bem com vcs?

Sumi mesmo, confesso que sumi.
Tantas coisas aconteceram e tem acontecido, mas vou contar tudo, resumido é claro.

Bem, eu e o amado estamos numa de altos e baixos. Ele com a sua adicção e eu com a minha aceitação de algumas circunstâncias.

É difícil depois de um bom tempo trabalhando ficar em casa novamente, viver de um auxílio que não chega nem perto de um salário, essa tem sido minha dificuldade e aonde eu desanimei.
Campinas é uma boa cidade, mas a remuneração aqui é muito ruim. O mercado está cada vez mais exigente e pagando menos.
Essa tem sido minha dificuldade, aceitar aquilo que eu não posso mudar e esperar alguma coisa acontecer, no tempo determinado.
Tenho enviado currículos, feito inúmeras entrevistas, mas sem sucesso.

O amado, tem me auxiliado muito, tem me ajudado a pagar as contas, às vezes me leva para almoçar ou jantar, sempre uma coisa diferente. Nas últimas semanas viajamos duas vezes, e ele tem feito o possível para me alegrar, e fico muito feliz com isso.
Em momento algum eu pedi a sua ajuda, não gosto de pedir, e ele até falou, você me ajuda muito, e o emprego que eu tenho, é graças a Deus e a você, então eu quero te ajudar. Mas o orgulho bate forte aqui, às vezes.

Aceitar uma situação, a qual eu sei que não é pra sempre, mas o "ter" que aceitar e me virar da maneira que eu posso, é algo que tem sido difícil, intolerante.
Voltar a depender dos meus pais, é algo chato. Às vezes, meu pai na sua falta de sabedoria acaba falando coisas que me magoa pelo fato de não estar trabalhando, então, está complicado.
E o que resta, é ter fé, e acreditar que vai mudar essa situação e deixar a ansiedade de lado.

O amado está na sua gangorra da adicção. Está numa crise interna, que às vezes ele tem a dificuldade de aceitar algumas coisas.
Tivemos um desentendimento por uma paranóia dele, de achar que eu estava afim de outra pessoa, ele encanou que eu estava desinteressada nele.
E eu tive uma conversa franca, falei que em hipótese alguma o trai e muito menos estou desinteressada da pessoa dele, porque se estivesse já o teria abandonado. E graças a Deus ficou tudo bem.

Vejo sua carência, seu medo de ser abandonado, de achar que irei condená-lo, mas não, não faço isso.
Como eu relatei em alguns posts, mudei a tática, usou, não falo nada. A conversa é no dia seguinte sempre conscientizando do risco em que se corre.
Notei que sua resistência da droga diminui (se eu estiver errada me corrijam), antes precisava usar muito para ficar alucinado, hoje menos de um "pino" de cocaína é o suficiente para deixá-lo travado, com medo e vendo coisas.
É triste isso, mas insisto em falar que é a sua escolha. Que por mais que ele fala que não gosta, que não quer, quando vem a vontade ele não luta.
E sem luta é impossível obter a conquista!

Apesar de acontecer algumas recaídas, a mudança do meu comportamento me ajudou muito, pois não estou sofrendo mais como sofria antes.
Quando sei, apenas peço para Deus iluminar a mente, os caminhos dele, para que ele encontre a serenidade e que no momento da conversa eu consiga colocar as palavras de maneira sábia para ele, assim poder ajudá-lo.

Agradeço a Deus pelo pastor que tem nos auxiliado, pois sem a ajuda dele e de Deus, não conseguiriamos nos mantermos em pé, acreditando numa melhora. São poucas pessoas que escolhem ajudar um adicto sem ver o "real" problema, sem julgar, sem condenar, e ainda bem que existem pessoas assim!

Já voltei as aulas da faculdade, com muito trabalho e já com provas marcadas.
O amado já foi professor de inglês, então me ajudará dar uma melhorada no meu idioma, porque está bem fraquinho.
E assim vou caminhando, vivendo um dia de cada vez.

SPH



segunda-feira, 2 de julho de 2012

Reflexão


Falaceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida.

Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar, encontraram na portaria um cartaz enorme, no qual estava escrito: 
"Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida na Empresa. Você está convidado para o velório na quadra de esportes". 

No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas depois de algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava atrapalhando sua vida e bloqueando seu crescimento na empresa. A agitação na quadra de esportes era tão grande, que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório. Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava:
 - Quem será que estava atrapalhando o meu progresso ?
 - Ainda bem que esse infeliz morreu ! 

Um a um, os funcionários, agitados, se aproximavam do caixão, olhavam pelo visor do caixão a fim de reconhecer o defunto, engoliam em seco e saiam de cabeça abaixada, sem nada falar uns com os outros. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da alma e dirigiam-se para suas salas. Todos, muito curiosos mantinham-se na fila até chegar a sua vez de verificar quem estava no caixão e que tinha atrapalhado tanto a cada um deles. 
A pergunta ecoava na mente de todos: "Quem está nesse caixão"? 
O visor do caixão havia um espelho e cada um via a si mesmo... Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: VOCÊ MESMO! Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida. Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida. Você é a única pessoa que pode ajudar a si mesmo. "SUA VIDA NÃO MUDA QUANDO SEU CHEFE MUDA, QUANDO SUA EMPRESA MUDA, QUANDO SEUS PAIS MUDAM, QUANDO SEU(SUA) NAMORADO(A) MUDA. SUA VIDA MUDA... QUANDO VOCÊ MUDA! VOCÊ É O ÚNICO RESPONSÁVEL POR ELA." 
O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos e seus atos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença.  
A vida muda, quando "você muda". 

Luís Fernando Veríssimo



Boa semana a todos e um ótimo mês de Julho!

SPH


OBS: Como vocês podem ver, modifiquei o layout do blog, espero que tenham gostado! 

domingo, 17 de junho de 2012

Amor próprio


Será que eu me amo realmente?
Ou eu deixei de me amar para amar outra pessoa?

Essa é uma pergunta que eu já fiz a mim mesma inúmeras vezes, se eu estou me anulando demais, esquecendo de mim para ver a felicidade de alguém.
E um relacionamento com um adicto infelizmente pode ocorrer de você não receber o amor que você tanto espera.
O adicto ele tem muitos altos e baixos. Para alguns mais baixos, outros mais altos. Demora algum tempo para encontrar o seu ponto de equilíbrio, e mesmo encontrando o seu ponto de equilíbrio haverá momentos de instabilidade.

O problema é muitas vezes fazemos alguma coisa esperando algo em troca, e infelizmente, no mundo em que vivemos, iremos nos decepcionar.
Tem uma reflexão do Nara-Anon que nos ensina a não criar expectativas com os nossos queridos, porque todas vezes que criamos, estamos sujeitos a frustrações.

E onde devemos depositar nossa confiança no Poder Superior, porque SOMENTE Ele, sabe o que é melhor para nossas vidas.

Devemos praticar o desligamento com amor, que nada mais é nos preocupar menos com pessoa e mais consigo mesmo.
Confesso que demorei muitoooo para entender, que ainda estou aprendendo, e lembro que teve um post que até a Cici comentou sobre isso, que eu deveria praticar.
Li o post dela, li vários outros blogs a respeito, é difícil, mas é bom.

Hoje eu vejo por mim. Antes o amado recaía, eu ficava desesperada. Tem dia, que eu nem sei o que aconteceu, tem dia que eu sei que aconteceu e volto a dormir numa boa; acabou essa de "não vou dormir porque ele não está bem".
Porque na real, vai mudar alguma coisa eu ficar acordada? Infelizmente não. O que eu posso fazer e contínuo fazendo, é entregando nas mãos de Deus, e se ele falar alguma coisa a minha resposta contínua sendo a mesma "essa decisão é sua, é você que tem que sair dessa".

Eu fico triste por vê-lo se destruíndo, fico triste por vê-lo assoando o nariz toda hora, ainda mais quando tem sangue na secreção, mas isso é ele quem está procurando.
O caminho da recuperação ele sabe muito bem. Como ele também sabe usar a adicção como "muleta" para seus problemas.
Mas eu não posso deixar a minha dor falar mais alto, tem que partir dele buscar recuperação, eu estou aqui para apoia-lo.

O que não podemos nos esquecer, é deixar de cuidar de nós mesmos, de nos amar em primeiro lugar, porque o desligamento com amor, ele traz serenidade e crescimento.

Graças a Deus, última semana de prova e depois férias. Estou procurando emprego, não quero mais ficar em casa.
O amado não sei como está, estamos numa fase muito difícil com sua mãe. Eu nunca vi uma pessoa tão fútil, tão materialista. Eu louvo a Deus porque eu sei dos meus valores e não preciso provar isso para ninguém, e não tem dinheiro que compre a minha dignidade, mas no conceito dela caráter é na base do dinheiro.
Isso me chateia sabe, porque eu gostaria de viver bem com ela, mas...
E ele, fica divídido, se vem aqui em casa, ela fica enchendo o saco, se sai comigo enche o saco. E e ele fala, que por tudo isso, ele quer ficar comigo.
Eu louvo a Deus porque ele é diferente, mas estou triste, porque você sabem que para o adicto não precisa de muito para usar, enfim.

Bom restinho de final de semana pra vcs...
Que comece logo a semana...

Só mais 24hrs

sábado, 9 de junho de 2012

Nada além de Ti (Deus)


Tarde fria!
Estou ruim de saúde. As dores baixo-ventre não melhoraram. O médico está marcado para o dia 25/06, mas parece uma eternidade.
Eu estou tomando remédio e nada de melhorar.

E meu amado também não está bem.
Segundo minha sogra está em crise. Claro, quando ele não está bem, ela começa ligar aqui em casa.
Ela ligou para saber o telefone do pastor e queria saber se ele estava aqui, minha mãe disse que não.
Ai ela começou falar um monte sobre ele, eu desconfio do que é verdade e do que é mentira, pois ela se aproveita que minha não tem tanta experiência com adicto e mente.

E ontem o ápice da sua insanidade foi, que o condomínio onde ela mora, são de pessoas com grande poder aquisitivo, e se ficarem sabendo que ela tem um filho adicto vai envergonhá-la, por isso, ela vai deixar avisado na portaria, que quando ele estiver assim, para  não deixá-lo entrar.
Eu não sei se isso é uma mãe ou que... E não tenho nenhuma referência de algo ruim para fazer uma comparação.

Que pessoa é essa que dá mais valor a classe social, do que ver o filho ativo na rua?
Eu confesso que tudo tem um limite, mas fazer isso para ele de pirraça, por quê? Com qual finalidade?

Na semana passada nós saimos,  ela provocou ele até não querer mais porque ele saiu comigo, e ela não queria que ele tivesse saido, porque na opinião dela, ele tem que fazer as vontades dela.
Agora, ele recai, e ela liga aqui em casa. A sorte dela que não fui eu quem atendi, porque eu ia falar para ela se virar.
Ela me xinga e depois me liga como se nada aconteceu, desculpa querida, mas não aguento mais sua falsidade.

E para ajudar, minha cunhada entrou nessa onda também, sempre sai com um amigo dela, eles bebem e usam droga.
Ela não era assim, só usava de vez enquando, agora está usando direto.

Não sei onde tudo isso vai parar.
Não falei com o amado hoje, eu não estou chateada com ele, não estou brava, estou indiferente. Não sei se ele foi trabalhar, se não foi. Não sei.
Não sei como está sendo seus dias na sua casa, se ele ou sua mãe está mentindo, não sei.
Não sei até onde isso vai chegar ou vai durar.

São tantos "não sei", que prefiro nem saber para falar verdade.
Apenas tenho o seguinte pensamento, e no momento oportuno quero conversar com ele, que ele não tem nada em sua vida, ele tem duas opções de continuar não tendo nada por conta da droga ou correr atrás de sua recuperação (novamente), a qual é uma conquista diária, e pelo menos tentar ter alguma coisa.

Pois na idade dele, já era para ele ter sanado suas divídas e não vivendo essa vida achando que é uma parque de diversões, uma recaída aqui, outra ali, achando que nunca vai dar nada.
Mas nunca se sabe do dia de amanhã, Deus é muito bom, mas tudo tem um limite, até o dia que o limite de Deus acabar e resolver deixar alguma coisa acontecer.

Nós temos várias oportunidades na vida e se não soubermos aproveitá-las, elas vão embora e talvez não voltem.

De fora, nós temos uma visão diferente da situação, conseguimos enxergar erros que talvez as pessoas envolvidas não enxerguem. Mas daí lembramos que a única pessoa que podemos modificar é nós mesmo!

Eu não tenho nada além de Dele, então, vou continuar entregando minhas dificuldade, meus anseios nas suas mãos.
São tantas coisas... Mas só Ele consegue ver tudo e sabe de tudo, e sabe o que é melhor!

Só por hoje vivo na esperança de ter dias melhores.

 
♪Oh Deus, eu vim aqui só pra te dizer,
  Que minha esperança está em Ti,
  Eu não tenho nada além Ti 








sexta-feira, 1 de junho de 2012

Notícias


São 03:21 da madrugada, e eu aqui, passeando pelos blogs.
Fiquei um pouco fora, mas ai vem as notícias.

Sexta-feira, 25/05 fui dispensada do trabalho. Glória a Deus!
Muitas lágrimas, porque devido a rotina, acabamos nos apegando em algumas pessoas e essa foi a parte difícil.
Realmente eu estava precisando sair desse emprego, estava afetando muitoooo a minha saúde. Tanto que desde do dia em que sai, estou sem dores de cabeça e sem dores baixo-ventre.
A parte boa é que agora eu tenho tempo para me dedicar aos estudos, cuidar da minha saúde e assim que possível correr atrás de um outro emprego.
Pra falar verdade, eu já estou procurando, mas como o mercado está difícil.

No sábado, eu e o amado, mais a sua irmã e um amigo fomos para Santos. Como a CNH do amado foi recolhida e é de lá, fomos para lá resolver isso.
Curtimos um ótimos final de semana, até que...

Sim, ela apareceu. Me irrita demais.
Estava tudo bem, tudo ótimo, sendo que sua irmã, sabendo de sua adicção, tem a infeliz idéia de pegar um negocinho.
Ah, eu nem olhava pra cara dele, fiquei de costa a todo instante, e ele me abraçava, e falava, falava e eu indiferente.
Confesso que fiquei muitooooooo brava com sua irmã, poxa vida, ela já presenciou crises piores do que eu, e sabe que se ele resolve "engatar" uma crise o estrago que faz.
Eu tapei os ouvidos, coloquei uma blusa de frio com capuz e nem conversei com nenhum deles.
Me arrependi muito de ter ido.

E o mais interessante disso tudo, é que só falavam de assunto do passado, bebida, droga, gente que morreu, gente que não presta.
Sinceridade, eu não sei o que ela quer para vida dela, porque ela pode usar "esporadicamente", e tudo bem, mas e ele? Cadê a compaixão?

Mas dai, fui para hotel, dormi, no dia seguinte fiquei numa boa. Comprei um biquiní e fomos para praia tomar um sol, ela pediu para ir junto, ele disse que tudo bem.

Ai ela falou, vamo tomar um "cervejinha", ele disse que não.
Se iamos em algum lugar, ela falava de tomar alguma coisa com álcool, mas ele não quis, mas percebi sua inquietação.
Ele tinha parado de fumar. Mas com todo esse quadro, estava fumando um atrás do outro.

Retornamos na segunda a tarde, ele ia trabalhar e eu para faculdade. Até então ele ficou numa boa.
Só que aconteceu algo tão chato, que me senti mal.
O combinado seria eu voltar para minha casa, ele me levaria. Como ficamos o dia inteiro correndo atrás da CNH, ele não dormiu a tarde, dai eu disse para ele que voltaria com o carro, ele respondeu que não.

Nisso, sua mãe ligou, para saber como eu iria embora (o que me irrita demais, porque se ela quer saber das coisas, ela sempre pergunta de mim), ai ele falou que me levaria.
Ela perguntou se não tinha como o meu pai me buscar, só que meu pai já tinha ido trabalhar, e ai eu percebi que ela começou a reclamar.

Deu uns 20 minutos depois, ela ligou, falando que ia buscar o meu sogro no aeroporto e que me levaria.
Eu não gostei da idéia, mas não tinha outra opção, só não queria ir sozinha com ela.
Eu me sinto mal sabe, uma pessoa que te critíca, fala mal de você, te julga a todo momento e depois olha na sua cara e fala coisas, como se nada tivesse acontecido, acreditando que eu não sei de nada, é demais.
Se não gosta de mim, tudo bem, ninguém é obrigado a gostar de ninguém, mas não seja falsa, não venha fingir que gosta, porque eu sei que não gosta.
E se for ver, ela que tinha que se sentir mal e não eu. Mas mesmo assim eu sinto, porque eu não consigo fingir.

Ai, chegando lá, ela fala para o amado que ia buscar primeiro o meu sogro e depois me levaria, pois ele já havia chegado fazia algum tempo e estava esperando.
Eu disse que não podia faltar da faculdade, pois era revisão de matérias para prova.
Ai o amado falou que levaria. E ela começou a falar "não meu filho, você não vai dormir meu filho, como você vai trabalhar meu filho. Eu acho que a Mari poderia ser um pouquinho mais compreensiva e não ir para faculdade, mas ela não quer ser".

Naquele momento eu engoli o sapo, a florzinha da lagoa e a lagoa inteira para não falar poucas e boas para ela. O amado já tinha se irritado e ela colocando pilha.
Gente foi o cúmulo pra mim.

Para ajudar, deu errado a CNH, pois o guarda que recolheu a carta, deu o papel errado, ou seja, perdemos a viagem!

E ele já estava estressado por conta disso. Ai eu falei para ele, que da próxima vez, sairiamos mais cedo, pois pegamos um pouco de trânsito em SP.
Ele disse que não ia mais, que o que ele tiver que fazer, iria fazer sozinho...
Ai eu nem falei mais nada, só deixei minhas coisas aqui e fui para faculdade.

Só que na sexta, dia 25/05, eu precisei ir na faculdade, para fazer um trabalho com meu grupo.
A maioria dos grupos se reuniram na sexta para fazer também. Só que nesse dia, ele dormiu em casa, já tinha bebido, e disse que não queria andar sozinho na rua para não fazer besteira.
Fui na faculdade, só que a mãe dele ligou e ficava falando para ele que era mentira, que eu não tenho aula. Eu expliquei que era um trabalho para entregar e tudo mais.

Quando foi essa semana, ele falou que iria para Santos sexta, eu falei que ia junto. Ai ele falou, mas você tem aula, então você não vai.
Eu falei que não, que só foi aquela vez que eu precisei ir para fazer o trabalho.
Sua resposta foi que a história estava muito mal contada. Dai eu apelei, e falei "escuta aqui, faz dois anos que eu namoro você e nunca te dei motivo para desconfiar de mim, agora porque eu fui fazer trabalho você vai desconfiar. Primeiro, eu não tenho nada esconder, é isso e ponto, se você quiser acreditar tudo bem, se você não quiser, não posso fazer nada, pois eu sei que eu não estou mentindo e já te expliquei o que fui fazer lá".

Ai ele não falou mais nada e disse que não vai para Santos, que iria comigo, e quer ver quando que eu posso ir.

Estamos bem, graças a Deus. Ele está bem, só está reclamando que não está conseguindo dormir, pois tem muitas coisas para serem acertadas na sua casa nova e hoje estavam instalando alguma coisa lá que ele não está conseguindo dormir já tem uns dois dias.

A sua mãe, para mim é indiferente, nem me preocupo em saber se ela está bem ou não. Eu não sei mais o que fazer, pois já faço o máximo de tentar viver bem com ela, mas ela insiste em arrumar motivos, e implicâncias comigo.
Eu só espero que o amado não vá pelas idéias dela.

Porque é fato, que entre eu e a mãe dele, ele vai preferir a mãe dele. Certo que somos completamente diferente, que ela não o incentiva, o ajuda e eu sempre estive disposta a isso, mas ainda fico com pés atrás.

Serenidade a todos!

terça-feira, 22 de maio de 2012

Está tudo bem!


Boa tarde!
Terça-feira é um dia que eu não gosto muito, não sei porque..rs

Estou com um pouco de dores, mas irei ao médico amanha e veremos o que ela irá receitar para tirar essas dores. São bem incomodas.
Minha mãe teve mioma, tinha dores, mas segundo ela, não da maneira que eu tenho.

Ainda no sábado, eu liguei para o pastor que nos acompanha e pedi uma oração. E suas palavras foram muitos sábias, dizendo que relacionamento é algo difícil, mexe muito conosco, mas era para eu não me desesperar que TUDO está no controle de Deus.

Para ajudar, chegou uma encomenda dele, como ele voltou as suas atividades físicas, tem comprado alguns suplementos. E uma vitória, ele parou de fumar! Graças a Deus.
Ai eu liguei para avisá-lo que sua encomenda havia chegado, e quando foi por volta de 21:00 ele passou em casa para pegá-la.

Perguntou como eu estava, e eu havia esquecido o pós-barba no ármario do banheiro, também entreguei. Dai ele falou, entregou tudo, não tem mais nada, eu afirmei que sim.
Conversamos um pouco e ele foi embora. Me deu um selinho somente.

Ai entrei em casa, comecei a chorar, por ter visto ele, por pensar em coisas que eu poderia ter falado ou escutado. Dai eu parei, fiz uma oração e entreguei nas mãos de Deus.
Disse que eu não gostaria que as coisas fossem assim, que fosse diferente, mas que Ele fizesse o melhor para nós.

Comecei assistir uma pregação, fiquei jogando, nisso eu recebi uma mensagem dele, perguntando se eu estava acordada, se eu queria dar uma volta para conversarmos. Disse que sim.
Ele passou, entrei no carro, e ele disse que estava "embarulhado", pois não queria ficar daquele jeito comigo, disse que me ama e que estava se sentindo mal com tudo isso.
Dai eu falei, que eu estava triste, pelo fato dele não me ligar, de pouco se importar comigo, que nesse momento que eu estou passando, eu só espero uma ligação dele.
E ele disse que também esperou uma ligação minha, e não entendeu o que aconteceu para eu não ter ligado.
Ai eu falei tudo o que estava sentindo, ele escutou numa boa.
Falou que não me ligou pelo fato de eu não estar bem, e estava com medo da minha reação, que na cabeça dele eu não havia gostado dele ter ido para casa dele.
Eu respondi, que eu aceitei numa boa, que realmente é cansativo, é longe para o pai dele sair de lá onde eles estão morando, ir para minha casa e depois para o aeroporto, mas não gostei da maneira que ele falava das coisas, que eu sei que existe um contraste enorme de onde moramos, mas que nem por isso era necessário falar; e falei também que não gostei dessa necessidade imensa da mãe dele querer as roupas.
Ele falou que eu não vou mudá-la, eu concordei, mas falei que tudo tem limite, e que não é o jeito dela que tem que ser as coisas.
Ele apenas concordou e perguntou se eu ainda o amava. Eu respondi que sim, e fiz a mesma pergunta; ele falou que eu não tenho noção do quanto ele gosta, me ama e que não quer ficar longe de mim, depois disso me abraçou.

E disse mais, que esse tempo longe, foi bom, pois ele sentiu minha falta. Ai eu falei para ele, que também, mas que eu não quero mais que isso aconteça, independente de como o outro estiver, firmamos um acordo de um ligar para o outro.
Ai ele disse, que a partir daquele dia, um ia prometer para o outro fazer de tudo para o nosso relacionamento melhorar, para que cada dia estarmos mais juntos e próximo um do outro, para que isso fortaleça nosso amor e relacionamento.

Depois disso, comemos um lanche e fomos para casa. Ele dormiu lá, no domingo a noite foi no culto. E graças a Deus, tudo está bem.

Eu estou triste, chateada por conta do trabalho, é desanimador você fazer inúmeras coisas e ainda falarem que você está fazendo com má vontade, que seu serviço é ruim.
Isso tem mexido muito comigo, e até minha mãe falou que isso afetou minha saúde.
Estou preocupada, a empresa é um ambiente legal, mas é muita manipulação, fofoca, e as coisas chegam tão distorcidas que ninguém procura saber da verdade, é totalmente um telefone sem fio.
Essa semana eu estou mais calma, mas, está nas mãos de Deus.

Só passei para atualizar e dizer, que graças a Deus, está tudo bem em relação ao amado. E estou orando para que o trabalho se acerte, porque é muito ruim trabalhar num clima / ambiente desses.
 



sábado, 19 de maio de 2012

Coração doendo


Sabe, às vezes eu queria ser menos emotiva, gostaria de não me apegar tanto a pessoas.
Gostaria de ser dura, de ser fria, mas não consigo.

Contínuo sendo preocupada com que amo, me importando e sofrendo com suas atitudes. Mesmo tentando ser rude, não consigo.

O amado não recaíu. Mas está tão diferente comigo, e isso me dói.
Esses dias tem sido muito tenso para mim, os problemas e as tensões no trabalho só tem aumentado, e meu stress lá em cima. Graças a Deus ontem eu já estava mais calma, mas desde quinta-feira (10/05), eu não estava bem.
Acabei tratando minha mãe de uma maneira que não merece, mas o amado, eu até que fiquei tranquila, pois quando ele estava aqui em casa nos víamos pouco.

O almoço foi bem legal. O restaurante que havia reservado não deu certo, naquele dia eles não estavam servindo à la carte, mas ainda bem na região que tinham vários e acabamos almoçando num restaurante ótimo.

Mas eu lembro que eu fui mostrar meu perfume novo para ele, minha sombra, ele me deu uma resposta tão atravessada, que ultimamente não está reparando em nada e que nem vai reparar, que está estranho e pretende continuar daquele jeito por um bom tempo.
Fiquei bem sentida com a resposta dele, como é ruim ser "sensível", porque com essa resposta, as lágrimas escorriam, mas ainda bem que consegui disfarçar.
Antes disso, sua casa já havia ficado pronta, e pelo fato do acidente, quem estava levando ele para trabalhar era o pai. Como minha casa já ficava longe da dele, agora ainda mais, ele foi para sua casa. Até ai, tudo bem, porque realmente não tinha condições.
Mas antes disso, eu notei que ele estava falando muito as escondidas com a mãe dele, e isso me deixa intrigada, porque eu sei que ela não gosta de mim, e já fez a cabeça dele uma vez. 

Ele foi para sua casa essa semana, na terça-feira. Eu não fui trabalhar na segunda e na terça, pois o mioma que eu tenho na trompa esquerda resolveu doer, é uma dor insuportável, mas consegui marcar com a minha médica para essa semana.
E eu não sei, parece que subiu para cabeça dele essa casa nova. Eu sei que o meu padrão de vida com a dele é muito diferente, sei que nem que meus pais trabalhasse muito, conseguiríamos construir uma casa nos padrões igual a dele.
O condomínio tem tudo, e isso eu já sei. Porque toda vez que eu encontrava com a mãe dele, ela só falava da casa e das coisas que ela estava comprando.
Eu me sinto mal com isso, porque eu já sei de tudo isso, e não se faz necessário ficar falando.
Sei lá, das últimas vezes que eu falei com ele, ele só falava da casa, porque a casa tem isso, o condomínio tem aquilo, porque tem muita coisa para arrumar. Confesso que eu fiquei mal, porque eu moro no pé de uma comunidade (favela), já fui assaltada na esquina de casa, infelizmente é isso que o bolso do meus pais comportam, e se ele ficou aqui, e disse que se sentia bem, porque ficar fazendo isso agora.

As pessoas falam que padrões sociais não pesam em um relacionamento, mas eu estou mudando de idéia. E outra, que a mãe dele sempre falou isso, como ele vai namorar alguém que mora no pé da favela, que não tem isso, aquilo...
Ontem, foi aniversário dele, e mesmo ele não gostando de datas comemorativas, eu queria ficar com ele. Sua resposta foi, "fica cada um na sua casa, eu vou ficar na minha, você fica na sua, eu não vou fazer nada mesmo".
Ai eu perguntei, pelo menos no sábado você vem aqui para ficar comigo né. Ele respondeu que não, e ainda pediu que eu entendesse, pois ele tem que arrumar a casa, mesmo ele chegando 18:00horas, ele prefere ficar em casa.
Disse que só viria aqui, se tivesse culto no domingo.
Dai eu questionei, "poxa vida, você só tem o final de semana para ficar comigo, o que custa?" . Sua resposta foi "eu gostaria que você entendesse que eu quero ficar em casa, que eu preciso arrumar, não vai dar para eu ficar com você".
Eu disse "tudo bem, eu vou entender".

Fora isso, ele não me liga desde quarta-feira..
E quando ele chegou na sua casa, ele esqueceu de pegar algumas roupas dele aqui. Ele me ligou para falar que era para eu separar tudo que era dele, pois ela estava querendo e na mesma noite iria buscar.
Ai eu falei "noooooosssa, vai perder a perna né. Mal você chegou já está querendo suas roupas. Eu arrumei a sua mala (porque na segunda ela trouxe uma mala, porque ele pediu para colocar as coisas dele), e o restante era para você fazer, se você não fez eu não posso fazer nada".
E ele responde que eu tenho que entender a mãe dele, pois eu sei do jeito que ela é, que na cabeça dela eu vou fazer macumba para ele. Até porque se a gente terminar hoje, não tem o porque você não entregar.
Dói sabe, ouvir isso. Eu falei para ele que eu não queria ficar, mas se ela tem a necessidade de vir buscá-la no mesmo dia, tudo bem.
Mais tarde ele me liga, e coloca ela para falar comigo, que quem tomou a decisão de ir para casa foi ele, que ele realmente estava certo (como se eu tivesse questionado porque ele foi), e ainda reforçou que queria as roupas dele até as que estavam no varal.

Quando foi na quinta de manha, eu tonta, mandei uma mensagem para ele desejando um bom dia. Ele me liga, dizendo que estava um trânsito (que estava com a mãe dele), e que ia passar em casa para pegar as roupas.
Não tinha um outro horário melhor, justo no horário que eu estava saindo para trabalhar. Ai tinha algumas roupas no varal, ele disse que poderia deixar aqui, que depois ele pegaria.
Eu respondi que não, que sua mãe também pediu as que estavam no varal, então por isso ele ia levá-las.
Depois disso não nos falamos mais.

Ontem foi aniversário dele, liguei bem cedinho, desejei muitas felicidades, sucesso. Ainda falou que achou que eu não iria lembrar. Eu falei engano seu, eu penso muito em você, acha mesmo que eu não iria lembrar.
Ele responde, não sei né.

Eu estou achando que eu sou errada da história para ele me tratar assim ou não sei. Eu fico triste, porque eu sempre pensei, ajudei-o quando sua mãe no auge da sua dependência ativa se esqueceu, e só pensava na morte dele como solução.
E hoje ele faz isso, me trata como opção!
Eu sei que sua casa é mil vezes melhor do que a minha, mas não é motivo para agir assim comigo.

Eu não vou ligar para ele, nem quero saber se ele vai me ligar. Hoje acordei era 5:00hrs da manhã, morrendo de dores no mioma, então a minha opção é ficar em casa com dor.
Eu sempre falei para ele, que eu também preciso dele, que ele é meu companheiro, pois os amigos da ativa eu não tenho mais, e as que eu tenho, estão tudo namorando, saindo com os seus parceiros. E falei para ele, não deixa sozinha, não deixa de me ligar, eu só tenho você para sair de final de semana.
Ele nem se importou. Repito, hoje eu não sou sua opção.
E estou sofrendo, porque fui boa, porque falei dos meus sentimentos, dos meus medos. E realmente confiei nele, acreditei que ele iria ser diferente comigo, mas não.
Dói, dói porque eu não digo em todas, mas em boa parte de suas crises eu estive presente em sua vida.
E hoje é isso que eu recebo, a indiferença, nenhuma ligação para saber como eu estou, muito menos mensagem.

Antes eu desejava que o final de semana demorasse para acabar, só para podermos ficar juntos. Hoje eu torço para ele passar depressa.
Não sei se sua mãe está em envolvida, não sei o que está acontecendo. Só sei que está diferente.
O filme dessa semana e outras coisas que já aconteceram, sempre passa na cabeça.
Está nas mãos de Deus.

Eu só queria ser lembrada, ser tratada com carinho, receber um elogio. Essa coisa de mulher sabe.
Mas...

Como a foto acima mostra, meu coração está apertadinho. Estou tristinha, e só peço a Deus que isso passe logo.
Só por hoje.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Pressentimento (Ruim)


Ficamos felizes quando tudo está bem, não é verdade. Mas algo não estava tão bem, eu sabia que não.
Ontem eu liguei para ele, para falar de algo que é de nosso interesse, ele queria desligar logo.
Fato que ele tinha usado. Continuei falando, e ele tentou desligar novamente, nem me importei. A hora que eu fui desligar, ele estava mudo, e de repente falou "então tá, um beijo, te amo, tchau".

O seu te amo  foi tão vazio, que eu sabia que ele tinha usado, mas eu nem me importei, tenho tantas coisas para me importar, do que ficar me lamentado porque ele quis usar mais uma vez.
Egoísta, eu? Jamais. Sabe por que? Porque ele está sendo egoísta com ele mesmo, está pensando só em sua vontade, esquecendo da sua realidade, esquecendo de sua família, namorada, compromisso para se deixar levar por uma doce ilusão.

No telefone disse que estava na sua casa, que não tinha ido no boxe, mais uma coisa comprovando que havia usado.

Chegando em casa, tinha a esperança de não encontrá-lo, mas ele estava lá, dormindo. Nem entrei no quarto para comprovar. Me arrumei e fui para faculdade.
Cheguei era 21:40, horário que era para ele já ter jantado e estar arrumado para ir trabalhar. Adivinha o que ele estava fazendo? Dormindo, irresponsável.
Ai chamei ele, disse que ia com o carro dele. Chamei somente aquele vez e não chamei mais, eu que não vou ficar me importando se vai chegar atrasado, se vai ficar sem comer, essa foi a escolha dele do dia, então sofra as consequências bonitão!

A minha mãe veio perguntar o que estava acontecendo, se ele estava bem, disse que não sabia. Ela disse que eu deveria saber, perguntou se brigamos, eu disse que não, não havia acontecido nada e que eu ia dormir, pois estava cansada.
Dormi, ele acordou lá para 22:30 - 23:00, detalhe seu horário de entrada é 22:00, no máximo 23:00, será que ele chegou atrasado?
Quanta irresponsabilidade...

Quando foi hoje, 04:30hrs da manha, quem aparece cheirando bebida? O próprio. Conseguiu chegar  no grau máximo da irresponsabilidade. Chegou atrasado, saiu antes do horário. Era para ele trabalhar até mais ou menos às 08:00 horas da manha, e ainda por cima como se nada tivesse acontecido.
E veio me dar um beijo de boa noite / bom dia! Pelo menos isso.

Depois disso tive vários pesadelos, escutava ele gritando, batendo coisas, dai acordava assustada, e não era nada, depois senti algumas dores no local da cirurgia que eu fiz em fevereiro, nossa, foi horrível essa noite.

Recuperação tem para quem quer. Se ele quiser vou apoiar, se ele não quiser, não posso parar. Nem chorei, nem me surpreendi sabe.
É impressionante que usou droga, a inteligência chega a zero e a responsabilidade também. Não sei o que ele quer para vida dele. Se ele engatar essa crise, e sair gastando o dinheiro que ele guardou, eu não vou ajudá-lo.
No momento em que estamos, passando por essa dificuldade do acidente, os problemas do documento do carro e da CNH dele, não é momento de ficar fazendo "baladinha", poxa vida, segura onda meu anjo. Eu sei que é uma doença, mas se está conseguindo se manter limpo há algum tempo (eu não sei há quanto tempo ele estava limpo, porque eu não me preocupo mais em ficar contando), deu vontade de usar, procura ajuda, não é feio pedir ajuda.
Essa mania de pensarmos que conseguimos as coisas sozinhos, não, não conseguimos. E já cansei de falar para ele, tentação não se enfrenta, se foge!

E não vou falar nada para ele, vou ser indiferente, assim como ele fez comigo ontem, nem deu atenção para o que eu falei para ele.
Mas tudo bem, vai passar!

SPH!
E hoje é dia de manter serenidade.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Eu estarei ao seu lado



Oláááááa, tudo bem com vcss ??
Me perdoem pelo sumiço, mas os últimos dias de entrega de trabalho foram master corridos, mas graças a Deus consegui média das matérias que estavam em abertos, agora só falta mais 3, ufa!

O amado, graças a Deus está bem, tem se mantido bem, mas muito nervoso e preocupado por conta do acidente.
Essa semana chegou uma correspondência, chamando-o para uma conciliação, que nada mais é para ambos chegarem num acordo. Está nas mãos de Deus, pois sabemos que na posição que o motoqueiro caiu, já dá para saber que ele está errado.
O dificil é ele (motoqueiro) aceitar isso, mas amém, estou procurando não me estressar.

E falando em se estressar, estou muito chateada com as coisas aqui no trabalho, aindo muito nervosa, o meu próprio chefe mentindo sobre mim na frente dos diretores, é demais né. E eu desmentido, é claro, mas ninguém deu ouvidos, estou tão triste, porque a tal "apunhalada" vem da pessoa que você menos espera.
Eu sempre me dei muito bem com meu chefe, ele é uma ótima, tenho uma relação direta com ele, mas nunca iria esperar isso dele, tirar o dele da reta e colocar o meu. Ele sabe que está errado, e por que fazer isso?

Ontem cheguei da facul, contei tudo para o amado, ele só falava calma, e partilhamos da mesma opinião: UM MOLEQUE !.

Só Deus, só espero que essa maré ruim vá embora o quanto antes, que minha vida e do amado melhore por completo.
Graça a Deus nosso relacionamento está bem, claro que ficamos triste por conta do carro, mas amém, antes o carro, do que a vida.
E estamos batalhando.

Uma novidade, esse mês é aniversário dele (do amado), e domingo iremos comemorar num restaurante bem bacana. Graças ao acidente, nossos pais estão se aproximando.
Fico feliz por isso, apesar de termos padrões de vida diferentes, acredito e tenho certeza de que o carater de uma pessoa não se faz pelo dinheiro e sim pelo que ela é, pela suas bases familiares, e eu desejo do fundo do meu coração um dia me dar bem com a minha sogra, desejo que possamos ser felizes, com defeitos e qualidades.
E mesmo com todos os problemas que uma vida normal tem, ainda possamos encontrar motivos para sorrir!

A cada dia que passa eu descubro o quanto eu amo o meu amado, essa transição que ele está passando tem feito muito bem, ele está amadurecendo, tem se tornado responsável, antes era muito difícil poupar dinheiro e hoje está poupando, e eu louvo a Deus, que um dia eu sonhei isso, eu orei por isso, VOCÊS oraram por isso, e no tempo de Deus as coisas foram e estão acontecendo.
É por esses motivos e outros que eu quero e vou continuar sorrindo!