quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Sonhos | parte 1

É muito comum quem tenha convivido com um dependente químico aconteceu uma ou inúmeras vezes de sonhar com a pessoa usando droga, ou que está um tempo limpo e teve uma recaída.
Eu confesso que por diversas vezes eu tive esses sonhos. Alguns eu até posso chamar de sonhos, outros de pesadelos.
Às vezes é tão real, que você chega acordar passando mal.
Foi assim que eu acordei hoje.

Ele estava todo suado, a expressão era de quem havia acabado de consumir, aquele olhar vazio para o nada. Já era noite, e eu perguntei para ele se não ia trabalhar, ele disse que sim.
A casa estava cheia, ele nem tomou banho. Se vestiu, como se fosse para uma festa fantasia, e eu estava muito brava. Estava irredutível, com raiva. A lata de cerveja estava na sua mão.
E eu perguntava quem era a mulher, ele respondia que eu estava louca. Daí ele falou, eu tenho um pouco de dinheiro e hoje é dia de gastar (droga). E na hora eu comecei a chorar e perguntei e eu?
Não tem nada para mim? Eu não estou pedindo presentes, só estou pedindo para me levar para sair. De casa para shopping, de casa para o lanchonete, e eu chorava de soluçar, e ele só ficava me olhando, passando a mão na cabeça e não respondia nada.Ai eu acordei”


Que aflição!
O amado nunca me traiu, nem eu o trai, afirmo isso com todas as letras. Temos uma relação muito transparente. Sei de todas as suas recaídas, dos seus medos, dos seus sonhos, desejos, vontades, assim como ele também sabe dos meus.
Quando o adicto está na fissura da droga, entre uma droga e uma mulher, ele prefere a droga. A não ser que a amante use também, que eu acho difícil, não impossível.
Temos bastante alguns pontos em comum, outros não. Ele é calado, observador, eu sou mais extrovertida, falante.
E sempre falamos um para o outro que se um dia, tivéssemos a “recaída” de ter um relacionamento extra conjugal, confessaríamos um para o outro. Não sei se ficaríamos juntos depois disso, mas procuramos manter nosso relacionamento na base da verdade.
A vida a dois não é algo fácil, porque você casa não para ser feliz, mas para fazer a outra pessoa feliz e vice-versa. Ambos cultivam o amor, a cumplicidade, a fidelidade, o diálogo.
Só que em um relacionamento com um adicto, acontece da pessoa que está ao lado dele(a) se doar mais.  E nós mulheres temos tendência a sermos mais carentes, mais amorosas, e se entramos em um relacionamento sem estarmos preparadas ou sem sabermos de como pode ser o convívio, a maioria de nós acabamos sofrendo.
Realmente tem que estar disposta. Suas escolhas vão gerar conseqüências, sejam elas boas ou ruins. Toda ação gera uma reação.
E ai que eu falo, se a pessoa que ama o adicto, não aprender antes de tudo amar a si mesmo, não ter um relacionamento com si mesmo, se conhecer muito bem, antes de se doar, acabará se machucando.
Porque como eu posso dar amor, se eu não me amo?
A mesma coisa o adicto, alguns nem relacionamentos têm, por conta disso, de não saber conciliar um relacionamento com a adicção.

Algo que sempre o amado me falou, que é uma verdade, nós, co-dependentes nunca iremos saber o que se passa na cabeça dos adictos. Com certeza você já presenciou a seguinte situação, “meu filho(a)/esposo(a)/amigo(a)/pai/mãe/tio(a) estava tão bem, fazendo suas atividades e de repente recaiu, eu não sei o que acontece, ele não tinha nada para recair”, quantos de nós já passamos e pensamos isso.
Mas nunca saberemos a luta interna que eles tem. Nós temos a nossa de co-dependente, e eles tem as deles.
Por isso que quando uma pessoa vem e pergunta, seja ele adicto ou não, “você acha que eu devo ficar com ele?
A única pessoa que pode responder isso, é você mesma. Todas as respostas estão dentro de nós, e se você acha que não, busque o Poder Superior, que Ele te ajudará a encontrá-la.
Quando eu conheci o amado, ele estava limpo, no dia ele até me convidou para ir num churrasco de AA. Ele me contou sobre sua adicção, não condenei, pois na época, era normal. Éramos da mesma igreja, eu aqui em Campinas e ele na filial de Santos, e nossa igreja trata muito de dependente químico, tem uma clinica; para as pessoas de baixa renda tem uma outra clinica.
Só que eu não conhecia a fundo o que era adicção, e achei que poderia ser superado.
Lembro que no nosso primeiro final de semana, quando nos reencontramos durante a semana, ele estava bem. E no sábado iríamos ao Hopi Hari (sim, o parque que aconteceu o acidente recentemente), é bem perto aqui de Campinas. E naquele final de semana, ele recaiu, me ligou, contou tudo, e eu falei, “tudo bem, Ide e não peques mais”.
Fiquei chateada, pois queria passar o dia com ele. E eu como toda mulher, achei que com o meu amor poderia mudar tudo. Mas mero engano, não foi assim.
Do tempo que estamos juntos, ele passou por duas internações. Na verdade três internações, só que nessa terceira, que na verdade foi à segunda (que confusão), doparam ele de remédio, isso no primeiro dia. No segundo a mesma coisa, e ai no terceiro foram fazer isso, ele fugiu.
[Mari, você é a favor de clínicas que tratam com remédio? Sim e não. Porque, quando tem uma medicação fraca, que é para acalmar (ex: fluoxetina), tudo bem. Quando começam com medicação muito forte, a ponto da pessoa não reconhecer a si própria, ai eu não sou a favor. Hoje tem várias medicações que podem tratar a dependência química, mas sem abuso. Mas se medicação for muito forte pode causar danos severos a saúde física e mental. E ai não adianta nada, se livrar de uma droga e fica dependente de remédios.]
Eu poderia ter largado dele no auge da sua crise, eu poderia ter largado quando estava limpo, mas mesmo assim eu escolhi ficar com ele, mesmo assim eu escolhi amá-lo, da maneira como ele é.
A única pessoa que eu posso modificar é a mim a mesma, e ele, o Poder Superior mostrará o que precisa ser reparado, o que precisa ser mudado definitivamente.
Eu o amo e sei que ele me ama. E só por hoje, eu quero e escolho ser feliz ao lado dele, sem drogas!

Eu estarei com você, o meu pensamento estará em você, minhas orações são pra te proteger, quero que saiba que eu amo você (Planta e Raiz – Encontre a Liberdade)

(Gentemmm, eu respondo todos os comentários, ok! Caso queira perguntar alguma coisa, é só deixar nos comentário que eu respondo. O meu email está no meu perfil.)
Grande abraço.
SPH

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Paciência


Paciência e perseverança tem o efeito mágico de fazer as dificuldades desaparecerem e os obstáculos sumirem”. (John Quincy Adams)

Se não fosse Deus para me dar paciência, não sei o que seria de mim.
Não pela dependência química, mas pela co-dependência de outras pessoas que me irritam absurdos!
Jesus do céu, como me irrita. Será que a pessoa não vê, que pode ser uma pessoa melhor? Será que a pessoa não vê que além de prejudicar um DQ, prejudica outras pessoas?
Haja paciência hein!

Ontem fomos à igreja.
Mas antes disso, durante o dia, o amado foi no boxe. E ontem saindo de lá, ele disse que veio a vontade de usar, e naquele “vou ou não vou”, ele conseguiu resistir, e disse não (Glória a Deus 2x).
Porém, ele foi desviar de um buraco e caiu no outro (não lembro muito bem), e ai rasgou o pneu! Droga! Xinguemos todos.. Hahahaha.
Campinas tem tanto buraco, que vocês não imaginam, dependendo da rua, não dá nem para andar. Está feio o negócio.
Ele comprou o pneu em dezembro, para ser mais exata, dia 23/12, e ontem rasgou. Dá para imaginar a felicidade dele né!
Ai eu falei, glória a Deus por isso, que o diabo sabe, que você está buscando recuperação e tentou achar alguma maneira de te afetar para você usar.

Quando foi a noite, fomos a igreja. Ele me falou, que ia pedir para seu pai levá-lo no trabalho, pois ele pega estrada todos os dias, e ficou com receio de estourar o pneu (tem uma pequena diferença do step para o novo. O novo é maior). Eu falei que tudo bem, que é melhor, até porque guincho é caro.
Semanas atrás, ele estava usando muito, e a mãe dele tem uma co-dependência MEGA MASTER ativa, e nós já falamos para ela procurar ajuda, que está doente; e ela sempre fala que não, que o problema é ele, que quem usa droga é ele (típico comportamento de co-dependente).
E ela vive muito o triângulo da vitimização sem conhecê-lo (como?). Triângulo da vitimização = vítima, salvador, perseguidor. Fica nesses três comportamentos.
No início do meu relacionamento eu tinha uma dificuldade imensa de lidar com ela. Até entendo o lado dela de mãe, que sofreu, porque o filho aprontou, mas foi como eu já falei aqui, sofrimento é opção, você não mora na casa do sofrimento; é igual prova, você faz uma prova, você passa por uma prova, mas você não VIVE uma prova. Mas agora, tenho conseguido lidar com ela, graças a Deus, mas ainda tenho um pouco de dificuldade nessas coisinhas pequenas sabe.  [“
Aprimorar a paciência requer alguém que nos faça mal e nos permita praticar a tolerância”. (Dalai Lama)]


Enfim, voltando ao assunto do pneu. Saímos da igreja, e os pais dele também foram, e ai ele falou que ia precisar que levassem ele no trabalho. Adivinhem qual foi a reação dela? A pessoa que a duas semanas atrás queria levá-lo e buscá-lo no trabalho para ele não usar droga (como se fazendo isso fosse impedi-lo, que eu também já falei aqui, que quando a pessoa tem que usar, ela vai lá e usa, a droga ela tem esse poder de cegar a pessoa).
Ela vira e fala: “Mas você não pode ficar sem carro. Eu não posso te levar”. Eu olhei e não entendi nada. Daí ele falou, mas eu preciso, porque rasgou o pneu do meu carro. E ela batendo na tecla que não podia levar.
E o pior não é isso. O pior que o pai dele, é um amor, super tranquilo, sempre teve muita paciência com o filho. E quando ele vê que realmente o filho precisa de um auxílio, o pai intervém na situação e fala: “eu vou fazer, vou ajudar”. Mas daí, ela começa numa pontinha do triângulo “não, você não vai fazer isso, porque se você fizer isso para ele, você não me ama. Se você fizer isso para ele eu vou largar de você”.
Jesus do céu, eu fico passada, azul, verde, rosa, laranja de todas as cores possíveis para não explodir. Porque se fosse para usar droga, beleza, vamos contra, mas é para trabalhar.
Ai acabou que eles levaram. Mas hoje de manha, ela foi buscá-lo, e começou a reclamar de novo!

Gente, porque eu contei isso tudo, para entenderem, que alguns dos nossos comportamentos afetam e muito na recuperação dos nossos queridos/queridas.
É muito importante que aprendamos a lidar com eles. Se não, viramos verdadeiros sabotadores de recuperação.

Tem um rapaz, um companheiro lá da clínica, super engraçado. E está na luta contra o crack já tem anos.
E ele falou, é eu sair da clínica, ir para casa, minha mãe sabota minha recuperação.
Na maioria das clínicas (acredito eu), tem terapias familiares, é muito importante as pessoas que convivem com o adicto fazer. E eu me lembro que a primeira saída desse companheiro da clínica, era para ele e a família continua a terapia, e a mãe dele simplesmente falou “eu não irei mais nas terapias, pois você já saiu da clínica e não vejo necessidade”.
Às vezes a co-dependência nos faz ter surtos absurdos, que se não nos vigiarmos, poderemos parecer loucos.
Eu me lembro de outro companheiro, que morava numa cidade e sua filha em outra. E ele sempre foi um pai presente, apesar da sua adicção; ele poderia estar em qualquer lugar, ele sempre tira um final de semana para ficar com ela.
E certa feita, em um desses finais de semana ele foi para sua casa (acho que ele tinha um apartamento) e levou a sua filha consigo. E ele deu uma saída somente para ir na padaria. Nesse intervalo, a sua mãe ligou e a neta atendeu, disse que estava sozinha, que o pai havia ido na padaria.
A mãe teve uma atitude insana, disse que era mentira, que ele tinha ido usar drogas e chamou a polícia. E quando ele chegou na casa dele não entendeu nada do que estava acontecendo. E viu a filha dele chorando, a mãe dele falando alto.
Ele saiu correndo, foi chorar na calçada, achando um absurdo porque só foi na padaria, e não foi usar drogas. Mas quando olhou para seu lado, viu o rapaz que lhe vendia drogas, e daí não pensou duas vezes, e usou.
Como uma situação minúscula, um mal entendido, se transformou numa tempestade.
E hoje em dia, está se tornando muito comum, situações como essa se repetirem.
A harmonia tem que existir dentro dos lares, tem que haver paz, amor, diálogo que é fundamental, se não, não é um lar.
A melhor maneira de saber como tratar um adicto ativo ou em recuperação é buscando ajuda, aconselhamento JUNTO com ele.
Seja nas terapias da clínica, nas salas do Nar-Anon, Al-Anon, Psicólogo, Psiquiatra, enfim, pessoas que realmente são capacitadas no assunto que possam te orientar de maneira clara, que fiquei fácil de você colocar em prática aquilo que está aprendendo.
Eu creio que ficará mais fácil agradável a convivência para ambos. Lembrando que doente não é só o adicto, mas o co-dependente também.
“[...]Mas na multidão de conselhos há sabedoria”.(Provérbios 11.14)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Sentimentos

Às vezes me pergunto onde Deus está em certas situações e dificuldades? Ele me disse: Filho eu estou no lugar e no espaço que você separou pra mim quando tomou as suas decisões.” (Samuel Barbosa)


Boa tarde minhas queridas e queridos leitores desse blog.
Primeiramente, eu quero falar que estou amando poder partilhar, trocar experiências, tem feito muito bem para mim, a sensação é, “porque não fiz o blog antes?
E uma coisa que eu sempre falo para o amado, que não importa o que você tem nada vida, e sim o QUEM você tem na vida. E eu agradeço muito a Deus por ter conhecido vocês. Alguns momentos de dor, me lembro de ter lido o blog de algumas de vocês e ter encontrado várias palavras que me trouxeram conforto, paz, e eu espero de coração que vocês possam encontrar o mesmo aqui. Porque aqui tem sido um grande aprendizado para mim.
O mais legal é que eu não conheço ninguém pessoalmente, mas então pouco tempo, eu aprendi ter um amor, um carinho que vocês não imaginam o quanto.
Agradeço mesmo de coração, e continuem me visitando, que eu adoro ser visitada e adoro visitar.
Boa leitura!

Sábado – 25/02
Amanheci meio estranha, pensativa, pedindo a Deus muita serenidade. Como de costume, liguei para ele, saber como estava o trabalho, se já tinha almoçado.
Ele estava na correria. No meio do assunto, ele fala “já estou cansado dessa vida, eu quero por um ponto final nisso, assim como me cansei do crack, da maconha, me cansei também da cocaína”. Eu respondi, realmente, precisa por um ponto final, mas não será de tanto eu falar, da sua mãe ou seu pai falar, tem que partir de você, e se você conseguiu superar o crack, conseguirá superar a cocaína.
Eu fico feliz de saber que ele tem essa consciência, mas falo que não é de tanto eu falar, porque isso é com qualquer pessoa.
Hoje, eu aprendi ter um entendimento, que a única pessoa que consegue convencer a outra do que é errado é o nosso Poder Superior.
Ele falou que às vezes espera uma compreensão da mãe dele, mas infelizmente ela não o compreende. E ele sabe que ela me liga para falar dele, mas eu não vou ficar falando isso para ele, para não arrumar confusão, no momento (na minha opinião), tenho que ter uma posição de pacificadora, porque eu vou ficar colocando lenha na fogueira, e os dois vão acabar se machucando, e não é isso que eu quero.
Fala que é fácil compreender um dependente químico, não, não é fácil, mas também precisamos nos esforçar. Porque tem horas, que também não somos fácil de sermos compreendidos.
Conversamos bastante. E depois que ele saiu do trabalho ele veio em casa, mas era fato que a presença dela estava lá. E ele falava que queria conversar comigo, mas eu estava irredutível por saber que ele estava drogado. E ele insistindo, mas eu não cedia, até que me venceu pela insistência. Vamos conversar.
A todo momento ele falava, eu quero parar, eu não agüento mais. E eu só conseguia ficar quieta, sem reação.
Ele me falou que não gosta de me ver chateada, e eu falei, que eu não fico mais, porque é uma escolha dele usar, eu vou respeitar, e que irá sofrer as conseqüências do uso será ele, mas que é necessário ele tomar uma posição, ter uma responsabilidade, que eu não sei quanto que ele gasta com droga, mas lá na frente pode ser um dinheiro que faça falta, que hoje não o atrapalha no rendimento do trabalho dele, mas pode atrapalhar futuramente. Conversamos por horas e horas, mais ele falava do que eu, pois eu estava travada.

E no meio da conversa, ele lembrou do um companheiro da clínica, que na sua época ativa, sua esposa teve que fazer tratamento com psiquiatra por conta de suas crises, começou tomar medicação controlada. E no meio desse turbilhão, ela foi para exterior estudar. Só que ela esqueceu o remédio dela, e ela surtou por falta do mesmo.
Ai, de lá do exterior, ela ligou para ele na clínica, e falou: “Me perdoa por todas as vezes que eu te julguei, porque agora eu estou vendo como você fica sem a droga. Eu esqueci meu remédio ai no Brasil e estou surtada, agora eu entendo como você se sente. Me perdoa.”
Na hora meus olhos se encherão de lágrima. E ele falou, “eu só quero que você se esforce um pouco para ficar comigo, porque eu sei às vezes eu não te dou atenção, e eu quero te dar. E eu quero conversar com você e quero você fale comigo, pois você é a única pessoa que me compreende ou tenta me compreender.”
E disse mais, que quando morou em Fortaleza, assistiu uma palestra de um tetraplégico, e que o mesmo falou que o segredo do futuro é o diálogo.
Foi forte te escutado isso. Porque às vezes, como mãe, esposa, namorada, amiga, só pensamos nos nossos sentimentos de raiva, e não pensamos na luta interna que eles tem com eles mesmos.
Daí tem pessoas que falam: “usam drogas porque é sem vergonha, porque não querem trabalhar, são vagabundos”, mas infelizmente dependência química é uma doença, e infelizmente eles a contraíram.
Existem pessoas que contraíram o vírus da AIDS, porque seu parceiro(a) teve um relacionamento extra conjugal, e nem por causa disso são pessoas de má índole.
Depois de ter ouvido aquilo, só me restava dar um abraço. E conversar de maneira gentil!
Voltamos para casa, ele foi dormir, eu fiquei assistindo televisão. Depois ele levantou, assistiu TV comigo. Minutos depois, disse que estava com fome e com um pouco de dor de cabeça, preparei umas bisnaguinhas e um comprimido para dor. Ele continuou lá comigo.
Fui me preparar para dormir, ele disse que queria sair para buscarmos um lanche. Buscamos, ele comeu e depois foi dormir e eu também.
Domingo – 26/02
Almoçamos, tomamos açaí (amamos) no final da tarde. À noite passamos na casa dele, passamos no mercado, ele comprou maracujá, pois estava com vontade de tomar suco.
Me disse que hoje voltaria para o boxe. Quer fazer o possível para voltar a freqüentar as reuniões e partilhar com um amigo do NA.
Brincamos, rimos, falamos sobre Deus, ouvimos o CD que nós gostamos de ouvir indo para o trabalho.
Tudo tem seu tempo. Não é de tanto falar, é de apenas pedirmos a Deus para abençoar e cuidar, que Ele com certeza faz a parte dele.



Senhor Deus Pai, nós clamamos Senhor pela tua direção, e nós pedimos perdão pelas nossas falhas Senhor, em nome de Jesus; passa teu sangue e teu fogo sobre nossas vidas, em nome de Jesus, apaga dos ares toda acusação contra nossa vida, toda escrita de dívida seja arrancada agora das mãos de satanás e que os teus anjos estejam jogando isso no mar do esquecimento, em nome de Jesus Cristo, muito obrigado Senhor, pela tua graça e pela tua misericórdia, porque a tua palavra diz, de acordo com Hebreus 4:16 que nós podemos entrar no trono da graça confiadamente, afim de receber graça e misericórdia, e socorro em tempo oportuno, em nome de Jesus, Pai, nós sabemos que a tua palavra é viva e eficaz e tomamos posse dela sobre nossas vidas, em nome de Jesus.” (Rodolfo Abrantes – Contigo à Mesa – Oração Introdutória)
Segundo ele, quando está mal, ele ouve esse CD e se sente muito bem. E ele gosta muito dessa oração, por isso resolvi compartilhar com vocês.
Só por hoje, eu deixarei tudo nas mãos do meu Poder Superior, e viverei um dia de cada vez, na certeza de dias melhores.
Os nossos maiores problemas não estão nos obstáculos do caminho, mas na escolha da direção errada.
Ninguém pode decidir mudar a sua história, só você mesmo
.” (Augusto Cury)

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Galhos Secos


Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos.” (Jó 14:7)


Se algum parente, amigo ficou em alguma instituição, pode ter certeza que ele conhece a música abaixo.
E se você não conhece, aproveitei para conhecer e entender o post de hoje:



Vamos à história da Cerejeira ou Sakura:
Cerejeira é uma planta que segue rigorosamente o ritual de quatro estações do ano. No inverno após perder as folhas adormecem apenas com os galhos nus. Quando chega a primavera como um estouro, as flores brotam anunciando o amanhecer da primavera como se dissesse com muita vibração e alegria “Pessoal...estou aqui novamente”. Alguns dias depois as pétalas caem em seu lugar folhagens novas... As folhas se amadurecem e quando chega o outono, o colorido amarelo...vermelho e caem deixando somente galhos, anunciando a chegada do inverno.

Assim esta árvore com suas passagens em cada uma das estações tão definidas e tão intensas representa o que há de mais belo na natureza.” (Fonte http://www.flordecerejeira.com.br/caracteristicas.asp)


Tudo muito lindo, mas vamos falar de nós.
Quando nossos amados e amadas, chegam a instituição, chegam como “galhos secos”, sem valores morais, talvez até inconsciente, destruídos pela droga.
Mas não só eles estão como galhos secos, nós também, como co-dependentes, que paramos nossas vidas para vivermos em função deles.
Na maioria das vezes, estamos doentes, estamos machucados, e se perguntarmos qual é o problema nas nossas vidas, teremos uma resposta imediata que é o dependente químico.
Aí o dependente químico se trata, fica limpo, sereno, e você continua doente, tem algo de errado, não acha ?!?

Assim como nossos amados precisam de cuidados, nós também precisamos. Precisamos cuidar de nós, cuidar do interior, cuidar da mente.
Ontem, eu recebi a ligação da minha sogra, quando eu vejo que é ligação dela, sei que é para falar que dele, ou que não está bem, ou para reclamar. Antes eu tinha a necessidade de saber que ele não estava bem (olha a louca), queria saber tudo, essa coisa de co-dependente querer controlar de longe (olha a louca 2), como se tivesse condições...Hahahaha
Olha o ponto que a co-dependência nos leva.

Ai, ela me fala, que vai jogar ele no lixo. Eu falei para ela, entrega nas mãos de Deus, e deixa Ele cuidar.
Como que Deus vai fazer a parte dele, se toda vez que eu coloco na mão Dele, dá 2 minutos eu vou lá e tiro ?!?!
Nossa, mas como ter calma, serenidade? Queridas e queridos, é difícil, mas não vai mudar nada eu parar o mundo. É como diz o versículo acima, a música acima, quando ninguém vê esperança, Deus VÊ.
É agir pra Deus poder reagir.

Eu nunca tive problemas com drogas, nem nada, já experimentei, só maconha. Mas às vezes somos tão ingratos com Deus, não damos valor a vida, ao pouco que temos, a saúde, e mesmo assim, Deus escolheu nos amar. E porque Ele não vai amar nossos amados DQ ?

Às vezes nos esquecemos que nossos amados também tem sentimentos, também tem dores, também tem falhas. Hoje, o sentimento deles é de dor (se estiver ativo), mas se eles quiserem continuar com esse sentimento, é um direito deles. Cabe a nós conversarmos, orientarmos com o melhor, e sempre pedindo a Deus a serenidade, a sabedoria e para abrir a mente deles, porque ainda sim, Deus vê esperança!
(Gente eu acredito muito na recuperação das pessoas, além do amado, tenho meu pai que consome álcool “socialmente”, que às vezes passa do limite, tenho uma prima no crack e um tio alcoólatra, mas acredito muito na recuperação deles e de todos os outros)

A cerejeira/sakura tem o seu ciclo, e nós também temos. Fazemos aniversário, passamos da fase criança/adolescente/adulto/idoso, rimos, choramos, casamos, alguns se divorciam, ficamos solteiros, temos filhos, enfim, cada um tem um ciclo na sua vida, mas também temos a fase de galhos secos, mas é somente uma fase, não uma vida.


Para ser uma árvore forte, todos um dia fomos um galho seco, a diferença é que o Criador acreditou em nós, e não deixou o vento nos levar. Agora é hora de florescer.


Ninguém é derrotado a não ser quando desiste da luta.” (W.Beran Wolfe)

Bom final de semana!
Serenidade.
Deus abençoe


(Gostaria de saber se a fonte e o tamanho da letra estão bons, se não estiverem, me avisem nos comentários)

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Cadê você ?


"Senhor por mais que eu fale que não tenho medo de caminhar,
 Sinto uma insegurança, pois sou ser humano, com defeitos, imperfeito,
Mas sei que os teus olhos estão sobre mim, a me vigiar.
Mas quero ouvir tua voz me dizendo: Não temas, sou contigo, só confia em mim.
Eu sei que não estou só, pois sinto Tua presença em mim.
Eu sei que não estou só, posso até descansar, repousar em Teus braços
." (Bruna Karla - Eu Sei Que Não Estou Só)


Eu estou triste.
Eu sei que ele não está bem, sei que ele está cavando o próprio poço, mas sabe quando a co-dependência dói, quando ela grita, quando ela quer se manifestar de alguma forma; o primeiro passo do Nar-Anon é "Admitimos que éramos impotente perante o adicto e que tínhamos perdido o controle de nossas vidas."
Como é difícil admitir essa impotência, gente, eu quero fazer alguma coisa, eu quero tomar uma atitude.

Alguém se identifica? Alguém já teve esses surtos? Eu sei que a melhor coisa que eu posso fazer, é ficar quieta, porque falar não adianta, não adianta despejar qualquer sentimento achando que eles são depósitos de lixo que não vai adiantar, e eles estão anestesiados.Ai, a insana serei eu.
Mas sabe quando você quer fazer alguma coisa, mas você é impotente, perante o adicto, perante adicção, como é triste isso, como é duro. Mais difícil ainda é aceitar isso, é admitir.

Confesso que eu (muito) queria estar com ele, mesmo sabendo que amanha ele terá que levantar cedo, como eu também, pois preciso resolver umas pendências, mas mesmo assim, eu queria ficar um pouco com ele.
Sinto falta dele, vocês não tem noção do quanto. Devido aos horários que ele faz no trabalho, nós ficamos pouco tempo juntos, só domingo é o único dia livre, mas eu tenho que dormir cedo, para levantar cedo na segunda-feira.

Ele é meu companheiro, meu amigo, meu anjinho, meu amorzão, meu gatíssimo. Ele é aquele que sempre vai na padaria, pede dois pães na chapa, um café e para mim um suco, numa dessas vezes ele me ensinou a tomar Taff Man Ex (acredita que eu nunca havia tomado??), ele me apresentou a vitamina mais gostosa (na minha opinião e na dele) que fica lá em Itajubá, sul de Minas, ele me ensinou várias coisas. Gosto dele ligar pra ele, e ouvir a sua voz atendendo: "oi meu anjo", "oi amor"ou se não "amor, to chegando". Mas dói quando o celular dá caixa postal ou só chama e ninguém atende.

Ele é muito bom para mim, mesmo com a dependência química eu consigo ver as qualidades nele, valores de um homem. Às vezes eu não consigo ter palavras para descrevê-lo, não escrevo tão bem quanto gostaria, mas o pouco que eu escrevo, sei falar que ele é uma ótima pessoa.
Mas a maldita droga estraga qualquer pessoa, tira qualquer momento com a família.



Mas só por hoje, eu vou confiar em Deus e que amanhã será um dia melhor.
Tenho esperança, tenho fé para isso, e não posso esmorecer.




Noites Negras e Dias Claros

                                


Muitos de nós temos noites negras. Muitos de nós temos incertezas, solidão e as pontadas de desejos e necessidades que imploram ser satisfeitos, mas que passam aparentemente despercebidos. Às vezes, o caminho é nebuloso e escorregadio, e não temos esperança. Tudo que conseguimos é sentir medo. Tudo que conseguimos é ver o escuro.” (Trecho do livro Co-Dependência Nunca Mais, pg. 134)


Eu me lembro de quando começamos a namorar, muitas foram as noites em que chorei, noites essas que eu achava que não ia ter fim.
Ele trabalhava na refinaria e fazia muitas horas extras, e o que tem bastante lá dentro é álcool e muita droga... Nessa época, ele tinha uma amizade podre, sabe aqueles amigos, que quando querem usar, quer que você use junto e até paga para você, pois é, esse era o Pedro*, muito carismático, mulherengo, adorava uma cocaína.
Uma vez num churrasco, eu disse que se ele continuasse nessa vida, não iria dar muito certo, e se ele estava com vida, é porque Deus estava te dando uma chance. Ele riu da minha cara.
Dias depois, ele foi parar no hospital com uma pré-overdose (quando se tem overdose, é porque a pessoa morreu).
Nos dias de hoje, Pedro está bem, está indo na igreja, aparentemente limpo, graças a Deus.

Mas, me lembro das noites que eu chorava, minha co-dependência era tão ativa que eu nem sabia, julgava o Pedro e outros amigos, sendo que na verdade quem escolheu usar, foi meu amado.
Temos uma criança sentada no chão, colocamos vários brinquedos a sua volta, ela escolhe qual ela quer brincar. Naquelas noites, o meu amado escolheu usar, e eu não aceitava isso.
Mas eu tenho que aceitar?
Existe algo que chama respeito e individualidade. E hoje aprendi, que se a escolha dele for usar, eu tenho que respeitar, pois ele escolheu isso, é um direito dele. Assim como eu escolhi amá-lo do jeito que ele é, e que a única pessoa que eu posso modificar é a mim mesma, certo!

Naquelas noites, eu só conseguia ver desgraça, eu só conseguia chorar. Ficamos triste, mas continuar sofrendo é opcional!
Tudo mudou, a partir do momento que eu comecei a entender que ele tem suas escolhas e eu tenho as minhas. Que eu posso continuar chorando ou eu posso sorrir.
Eu posso viver a vida da maneira que eu quiser, tanto boa, quanto ruim. A escolha é minha.
Eu troquei a minha tristeza, pela minha auto-estima.
“Nossa, que insensível que você é..”
Não é ser insensível, são escolhas. Se eu ficar chorando vai mudar alguma coisa? Não. Se eu me jogar no chão, ficar igual uma louca, vai adiantar alguma coisa, ele vai parar de consumir, vai voltar para casa naquele momento? Também não.

Queridas e queridos, nossos amados(as) tem uma doença que infelizmente no momento de euforia, de consumo os cegam. No momento de consumo, nada importa, nada tem limite. Se precisar andar 1865959855 mil quilômetros por causa de uma droga, pode ter certeza que eles irão andar. É triste, mas é a realidade, é o que a droga faz.

Mas eu quero vocês vejam além dessa situação caótica, além das noites ou dias negros, que existem sim, dias claros. Escolha ser feliz, eu sei que dói ver essa pessoa consumindo, mas você não pode morrer junto né.
Para ajudar essa pessoa, você tem que estar bem. Nenhum doente ajuda outro doente.

Quando optamos por ser felizes, começamos atrair coisas boas. Eu acredito que se você tiver pensamentos negativos, irá atrair coisas negativas; então pensamentos positivos, atraem coisas positivas.
Pessoas felizes, são agradáveis, todo mundo gosta de estar perto. Pessoas que vivem lamentando, reclamando, ninguém gosta de ficar perto (Não estou falando que você não pode desabafar, até porque esse blog é pra isso), mas pensa só se você transformar a sua vida num mar lamentações, se você só reclama,... Ai fica impossível de achar uma saída, uma  esperança, uma solução.

Eu tenho uma tia, que tudo que falam para ela, ou ela reclama, ou ela fala que não vai dar certo, ou ela fala que já perdeu as esperanças, uma pessoa totalmente negativa.
Resultado, as pessoas criaram uma certa antipatia por ela, por não querer enxergar algo melhor.

Eu quero vocês estimulem a sua imaginação a criar coisas novas, vocês vendo uma situação difícil pensem numa saída. Ou se não, como eu penso às vezes, como Jesus agiria em tal situação? Como ele responderia?
Tentem ver as coisas de maneira mais positiva, principalmente a recuperação dos nossos queridos.
Pensem comigo, todo comportamento negativo ou positivo reflete no DQ. Então, deseje refletir algo positivo.

Tem um livro maravilhoso do Augusto Cury "Nunca Desista dos Seus Sonhos", é ótimo, ou melhor, todos do Augusto são bons (super indico, leiam!!!), ele usa muito Jesus Cristo como referencial, que veio a este mundo como homem e hoje é um ser celestial, mas ele dá exemplos que nós podemos adotar em nossas vidas... E super motivacionais e levantam a auto-estima.

Podemos sim, ter noites negras, mas que os dias claros sejam muito maiores em nossas vidas! Não se esqueçam disso, existem sim dias claros, e às vezes só basta que nós abramos as janelas e as cortinas das salas ou dos quartos para vê-lo.

4° Passo CODA: Liberto-me da preocupação, da culpa e da lamentação quanto ao meu passado e ao presente.


"Eu me mantenho o suficientemente atento(a) para não repetir. “Você também pode atravessar situações negras. Pode cuidar e confiar em si mesmo. Confie em Deus. Vá o mais longe que puder, e quando chegar lá, será capaz de enxergar mais adiante. Isso chama-se Um dia de cada vez.” (Trecho do livro Co-Dependência Nunca Mais, pg.135)
Seja feliz, só por hoje.




*Nome fictício


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

O amor

Ah o amor... que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê. (Luis de Camões)

Já faz uns tempos que eu havia pensado em escrever um blog, já que muitos outros indicam que quem sofre com dependência química ou co-dependência é bom desabafar.
Eu escolhi amar você, porque esse título? Porque eu realmente eu escolhi amar.
Eu escolhi amar meu amado, quando ninguém queria amá-lo, quando no auge da sua DQ ativa, os únicos sentimentos eram de raiva, culpa, não o agüento mais, eu escolhi amar.
Eu escolhi praticar o maior mandamento de Jesus Cristo aqui na terra, o amor.
Como diz em I Coríntios 13 – “o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta...”, quando existe amor, existe uma esperança, uma vontade de lutar, algo que não deixa você desistir.
Jesus Cristo, nos ensina a não julgar, mas sim olhar as pessoas com amor.
Confesso que tem horas que é muito difícil, quando tudo conspira contra, mas mesmo assim, Ele continua tendo amor.
Eu escolhi Jesus Cristo como meu Poder Superior, o qual eu me apoio, o qual eu busco serenidade e sabedoria nos momentos de tempestade.
O intuito desse blog é partilhar, é trocar experiências, e saber que juntas podemos sim, ajudar nossos amados nessa luta diária.

Ontem – 22/02

Não foi um dia agradável, meu amado chegou transtornado, era notória a presença dela.
Na hora meu sentimento foi de raiva. Aqui, na minha cidade, eu diria que pelo menos, em cada 4, 5 bairros ou mais tem uma boca (que legal!).
Meu amado vive dizendo que traficante tem uma vida desgraçada, pois desgraça a vida dos outros, mas não só o traficante, o usuário também, seja ele passivo (aquele que usa esporadicamente) e ativo (freqüentemente).
Eu não sabia que reação ter, mas sempre me lembro que a mulher sabia edifica sua casa, mas como ter sabedoria nessa hora?
Mas mesmo assim, me lembrei da seguinte coisa, se um dia eu achar que sofro com a sua DQ, me lembro que ele sofre muito mais.
Ele foi ao mecânico ver o problema do carro, me ligou para avisar que estava voltando para casa, mas do lado do mecânico tem duas bocas, eu já sabia que isso ia acontecer.
Ele saiu da clinica no final de setembro de 2011, ficou quase 4 meses, mas saiu antes da conclusão do seu tratamento, não porque ele quis, mas sim porque a mãe quis assim (sim, às vezes as mães atrapalharam no tratamento dos seus filhos). Depois de sua saída, ele passou quase 3 semanas muito bem, e teve uma recaída. Depois dessa sua recaída, vieram outras, que vem até hoje.
Ele tem buscado recuperação, mas tem respostas que estão dentro dele, algo que ele tem que colocar em prática, que só ele pode fazer. Eu só posso ajudá-lo.
Ele já usou de tudo, cigarro, álcool, maconha, cocaína, crack, merla, oxi, LSD, ecstasi... Mas, sua droga de escolha é a cocaína, de forma inalada. Ele já foi viciado em crack, mas graças a Deus conseguiu superá-lo, agora só falta mais uma.

A história é grande, não vou contar tudo nesse post.
Mas voltando a falar de ontem, ele tomou 5 cervejas, e ele trabalha a noite, e quem disse que conseguia dormir?
Por conta do feriado, ontem eu entrei 13:00 no trabalho,e quando eu fui me despedir dele, ele falou, "espera ai, deixa eu terminar essa cerveja". Fiquei esperando, ele não estava bem. Mas mesmo assim, eu tinha que ir, pois estava me atrasando.
Me deu um abraço apertado, me beijou várias vezes, falei que se precisasse de alguma coisa era só me ligar.
Às vezes parece uma criança, de tão impotente, sem sabe o que fazer... Ele passava a mão na cabeça várias vezes, e respirava fundo...
Quem já presenciou cenas como essa, sabe o quanto é estranho, ou melhor, é uma mistura de sentimentos. No passado, eu iria me debulhar em lágrimas, hoje, graças a Deus, consigo me manter mais centrada, ter mais dominio próprio, porque sei que não vai adiantar nadar eu chorar, fazer escandâlo, e não vai ajudá-lo também.
A noite, ele levantou no horário de ir trabalhar, tomou banho, fez a barba, jantou. Se despediu, disse que me ama.
Ai falou que ia voltar pra Vila Serena (é uma instituição que ele ficou duas vezes se eu não me engano, em SP), e eu respondi: "Você não precisa mais disso, pois aquela foi a sua última vez, até porque você já sabe de tudo e só falta colocar em prática.
Jesus está do seu lado, antes você remava contra a maré, agora você está a favor."
Porque disse isso, amados ele vem de 16 internações, sabe que sua luta é aqui fora, tudo que ele tinha que aprender dentro de uma clínica, ele aprendeu, mas não cabe a mim colocar em prática o que ele aprendeu, e sim ele. Não adianta ficar se internando várias vezes e não lutar aqui fora. (Eu sou a favor de internação sim, principalmente em casos extremos).
É difícil se manter limpo nos dias de hoje, acredito que sim, mas não impossível. E como eu falo, para quem conseguiu vencer o crack, é apenas um passo para vencer a cocaína e se manter limpo.
Hoje de manha, ele levou o carro novamente no mecânico, terá que ficar lá o dia inteiro para arrumar o carro.
Veio aqui no trabalho pegar o cartão de crédito, ele está sereno, mas sinto uma pontinha de preocupação.

Mas, minha oração de hoje, é que Deus o abençoe, e lhe dê forças para suportar o dia de hoje.
No próximo post contarei mais sobre nossas vidas.

"Nenhuma situação é tão difícil e nenhuma infelicidade é tão grande que não possam ser superadas" (Livreto Azul do Nar-Anon)