quinta-feira, 29 de março de 2012

Procurando Ajuda



Olá, tudo bem com vocês?
Meu amado segue firme na sua recuperação, mantendo-se limpo só por hoje.
Ultimamente ando postando menos por conta das minhas férias, tenho saído com o amado, feito as coisas com ele durante o dia, a tarde descanso um pouco e a noite eu vou para faculdade.

Minha faculdade teve um problema, pois várias pessoas da minha sala, como eu, fomos enganados a respeito da bolsa, por isso corri atrás essa semana de outra faculdade.
Já prestei o vestibular, passei e agora estou correndo atrás de outros documentos que a antiga faculdade não quer liberar.

Depois daquele post, li todos os comentários e pensei em cada palavra ali escrita. Conversei com uma amiga, ela me disse que eu estou assim pelo fato de estar em casa e querer “controlá-lo”, típico comportamento de co-dependente.
Depois disso refleti nessa dificuldade que às vezes eu tenho comigo mesma e decidir procurar a ajuda de um profissional.
Quero me conhecer, quero aprender a lidar com isso, quero me compreender. Quando o amado estava ativo, por diversos momentos eu foquei nele e esqueci de mim, depois que eu conheci a co-dependência, vi que era mais uma, e que não podia querer controlar uma doença, a qual a única pessoa responsável pela recuperação era ele.
À partir daquele momento mudei meu comportamento em vários aspectos, mas ainda vejo os sinais da co-dependência em mim. Quero me recuperar, por mim.

Semanas antes eu já havia marcado uma consulta com um psiquiatra para poder tratar do distúrbio de serotonina, eu não ia falar com ele sobre minha co-dependência e nem sobre adicção do meu amado, mas quando ele perguntou sobre minha vida, falei um pouco.
Foi um médico muito gentil, me simpatizei com ele, com o seu método de trabalho, e na próxima segunda-feira começarei minha terapia.
Ele me indicou 10 sessões, disse que através dela, aprenderei a aceitar as situações, compreender a mim mesma e entender esses conflitos.
Disse até, que poderá indicar um psicólogo para o amado voltar a fazer as suas terapias.
Fiquei muito feliz! Pois ele me motivou bastante e é como se uma nova esperança surgisse.

Esses últimos dias com o amado tem sido muito bom, e triste só de pensar que minhas férias já estão acabando, só tenho mais 10 dias, mas tentarei aproveitar ao máximo.
Hoje fomos ao parque bem cedinho, antes passamos na padaria para eu tomar café, e seguimos para lá.
Caminhamos juntos, pudemos conversar, colocar o papo em dia, depois da primeira volta ele seguiu para sua corrida e eu fui ver uns animais.
Depois nos reencontramos e viemos para casa, amanha o dia já está cheio de compromisso com ele também.

Ele tem conversado com minha mãe, falado que está se sentindo melhor, mais motivado, sem vontades de usar drogas, e conseguindo parar de fumar.

Enquanto a mim, tenho me policiado para não ter aqueles pensamentos, para não deixar a co-dependência me dominar.
Conto com vocês, e obrigado pelas palavras mais uma vez.

Só por hoje!

segunda-feira, 26 de março de 2012

A volta para casa



Gente, que calor é esse né?!?
Aqui em Campinas está muito calor.

Graças a Deus, meu amado segue bem mantendo sua recuperação, limpo só por hoje, engordando, e isso é uma vitória!
Porque um dependente químico ativo tudo muda na sua rotina, e principalmente a aparência e o peso, e graças a Deus o amado está voltando a sua forma normal, e retomando suas atividades.
Hoje cedo ele foi ao boxe.
Não sei se falei para vocês, ele está se tratando com homeopatia, um é para tirar ansiedade e o outro para ajudar a parar de fumar.
Tem tido resultado, porque ele fumava bem, não sei dizer quantos cigarros por dia, mas nos últimos dias, diminuiu muito a quantidade de cigarros fumados (segundo ele).
Sei que ele está fumando no máximo 3 por dia. Hoje ele só fumou 1 e meio.
Fora isso, ele toma um polivitaminico e um outro que é só Omêga 3.

Mas vou falar sobre algo que creio que muitas de vocês co-dependentes irão se identificar, a volta para casa.
Quando os nossos amados saem, seja para o trabalho, supermercado, NA, alguma atividade sempre pensamos na volta.
Será que vai ter uma recaída?
Ainda mais quando passa do horário, ou se tem um horário de costume, também passa.
Gera uma mistura de sentimentos, com ele vem o principal, a ansiedade, a ansiedade de querer saber o que realmente está acontecendo.
Gente, eu passo por isso. Por diversas vezes me peguei pensando na “possível” recaída, é muito ruim isso, porque é a co-dependência se manifestando de uma maneira sutil.

E é algo que temos que tratar em nós mesmos. Se eles porventura vierem usar, é a escolha deles, e infelizmente não poderemos impedir.
Mas como entender isso?
Como diz a oração da serenidade, a única pessoa que podemos modificar é a nós mesmos!

Hoje, antes dele chegar, ele me ligou falando que estava há uns 10 minutos daqui de casa, e pediu para eu bater abacate com leite para ele, ótimo, já aprontei tudo.
Só que passou 10, 20, quase 30 minutos e nada dele chegar.
E confesso que passou pela minha cabeça o maldito pensamento “será que aconteceu alguma coisa”.
Ai, em pensamento mesmo eu pedi para Deus cuidar dele, mesmo se ele estivesse fazendo alguma coisa de errado, mas nem encanei.
Continuei o que estava fazendo, e não passou muito tempo, ele chegou, e quando me viu abrindo o portão me deu um sorrisão!
Cumprimentei-o com um beijo, daí ele disse que parou na rua de trás para ver uma manicure para mim e disse que quer fazer a unha dele também, que estava suja! (Vergonha máster).

Como é difícil, e como já falei aqui, e repito mais uma vez, não quero ser assim!
Eu fico triste por agir assim, só eu sei disso, ele não sabe. Mas mesmo assim, me sinto triste.
Eu o recebi, mas fiquei pensativa na minha atitude.
Me sinto envergonhada!

Eu quero ser diferente, não quero ser uma eterna paranoica quando ele sair, quando ele se atrasar.
Quero continuar vivendo um dia de cada vez. O relacionamento com um adicto é assim, às vezes tem altos e baixos, às vezes são estáveis ou instáveis; mas o segredo é como nós agimos diante dessas situações.
E agora que ele está bem, e eu não quero agir assim.

Esses dias sua mãe ligou para saber como ele estava, disse que estava bem, e sua primeira pergunta foi se estava usando, respondi que não, que graças a Deus está conseguindo se manter limpo.
Ai conversamos sobre outras coisas, e ela pediu para ele ligar para ela.

Dei o recado para ele, até comentei a sua pergunta, e ele falou que ela sempre lembra da droga; eu respondi, relaxa, que co-dependente também pensa em droga, até mesmo mais do que o próprio DQ.
E hoje, eu me vi pensando nisso, que vergonha.

Espero que um dia isso passe.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Tempo de Qualidade


 Amado e Eu (clica na foto que aumenta)

Hello!
Primeiramente, me perdoem, pois fiquei de postar no dia 20/03, só que não foi possível, ultimamente não tenho parado em casa, tenho resolvido todas as pendências que não estava conseguindo resolver enquanto estava trabalhando.
E meus pais aproveitaram também para deixar algumas coisas para eu resolver, como por exemplo, trocar os pneus do carro, mas amém!
Tenho feito todas essas atividades com o amado, tem sido dias maravilhosos, dias que Deus preparou para nós.

Porque o título do post é tempo de qualidade?
Eu sempre digo para qualquer pessoa que é muito importante tirar um tempo para ficar com a pessoa com quem você ama, seja jantar fora, seja viajar, assistir um filme, algo a dois ou a três, com a família, namorado, esposo, esposa, etc.
O tempo de qualidade ele serve para melhor a o relacionamento, a comunicação, fortalecer os laços de amor, carinho, fidelidade, compaixão.
O tempo de qualidade serve para conhecer a pessoa, melhor ainda, por mais que você a conheça há anos.

E já fazia algum tempo que eu queria tirar esse tempo com o amado, ficar longe de tudo, e todos, numa pousada, para cada um curtir um ao outro, e graças a Deus dessa vez deu certo!
Ficamos numa cidade que fica a 72km de Campinas, chamada Serra Negra.
Serra Negra é bem turística, vende bastante malharia a um preço bem em conta, comparado a Campinas.
Por ficar no alto, a noite faz frio! E o clima da cidade é super gostoso!

Ficamos numa pousada chamada Oca Bianca (clica aqui), onde o marido é italiano e a esposa suíça. Na pousada, tem um restaurante italiano muito famoso, o Mamma Fernanda, que é dirigido pelo Luca, marido da suíça, a Bárbara.
Mamma Fernanda e o marido que não sei o nome, é um casal de italiano muito fofos, pais do Luca.
Tanto o marido, quanto o Luca dão aula de tênis, e mais uma outra coisa que eu não lembro.
A comida é feita pelo Luca, que é chef! Gente, pasmem, todos eles nos receberam super bem!
O meu primeiro contato foi com a Bárbara por email, muito atenciosa, atendimento de primeira, e depois quando eu fechei o pacote, também fechei com ela.

Chegamos à pousada no sábado, por volta de umas 18:30hrs, fomos recebidos pelo Guilherme, nos recebeu muito bem, apresentou nosso quarto e a pousada inteira.
E nos deixou muito, mas muito à vontade mesmo.
Ficamos um pouco no nosso quarto, desfazemos as malas, e fomos dar uma volta na cidade.
Comemos um lanche, e voltamos para a pousada.

Para sair, não precisamos deixar a chave na recepção, a chave ficava conosco, e poderíamos sair e voltar quantas vezes quisermos, tudo de bom.
 No dia seguinte, levantamos cedo para tomarmos o café da manha, que é das 8:30 à 10:30hrs.
Que mesa fartaaaaaaaaaaaa, muita coisa, as frutas docinhas, 5 tipos de pão de forma, pão francês, suco, iogurte e por ai vai que eu não lembro tudo.
Voltamos, nos arrumamos e bora para cidade gastar.
Na rua principal das lojas, eu fiz o percurso de ir em quase todas as lojas, e depois eu fui voltando, comprando aquilo que mais me agradou .
Preço, é barato demais.
Cacharel é R$9,90; calça legging R$19,90... Eu não sei na cidade de vocês, mas isso, lá em Serra Negra em comparação com Campinas, muito barato!
Teve outras lojas que pechinchamos, do tipo, pagamos no dinheiro para ter um desconto melhor.
Restaurante, para almoçar ou jantar, eu creio que é tudo na mesma faixa de preço de R$50,00 à R$90,00, ai vai do seu bolso.
 Conseguimos achar um restaurante, que o dono fechou o filét mignon por R$50,00, com arroz, feijão, fritas e salada por esse preço, mas bebida era parte.

Na pousada, a única coisa que gastamos foi com água, suco e um Ovomaltine.
Tudo foi muito bem aproveitada, passeamos bastante, aproveitamos muito, mas infelizmente tivemos que vir embora na segunda-feira.

O nosso relacionamento ficou ótimo, conversamos muito, demos muitas risadas, já até fizemos planos de voltar, fizemos planos de pelo menos guardar um dinheiro para gastar com passeios como esse, porque vimos que melhorou bastante nosso relacionamento e nos aproximou.
Sua mãe, até rogou uma pragazinha, falando que não ia dar certo a viagem, que a policia ia nos parar, aquela mesma ladainha de sempre, mas ele nem ligou.
Já o pai, que é um gentleman, ligou desejando uma boa viagem, falando para descansarmos, e foi o que fizemos.

O melhor de tudo isso, foi ouvir, que “eu tive um final de semana maravilhoso, sem precisar usar drogas!”.
E só de ouvir isso valeu muito a pena, pois ver o amado reconhecendo que a vida sem droga tem muito mais qualidade, é muito bom.
A pousada é bem isolada, não dá para ouvir barulho de nada, só dos patinhos no lago, da fonte que ficava próximo ao nosso quarto, dos passarinhos, só isso.
E isso o amado fala muito, que ama a natureza, que ficar em um lugar assim, ele fica mais próximo de Deus.
Quando fomos embora, no caminho ele fez a oração, agradecendo a Deus pelo final de semana, por cada momento que Deus nos proporcionou.
Ah, e ganhei um relógio lindo dele gente!
Poxa vida, eu estou muito feliz, por saber que a recuperação existe.

E lá na pousada, um companheiro que ficou com ele na clinica, ligou para ele, nos convidando para fazer uma visita, convidando para irmos à praia com a noiva dele.
E dai eu disse para ele, que é bom saber, que ainda existem pessoas que se importam conosco e que se lembram de nós!

Eu louvo a Deus por cada momento desse final de semana.
Eu sei que até hoje ele está falando para todo mundo que quer voltar, que gostou muito, que está muito feliz.
Amanha iremos fazer uma caminhada, e estamos planejando de ir ao cinema.

Precisava muito compartilhar isso com vocês, eu quero que vocês também sintam essa felicidade que eu estou sentindo e que está me fazendo bem!
Só por hoje eu quero esquecer dos problemas e ser feliz!
E que Deus abençoe a todos, e que essa felicidade alcance outros lares.


"Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade." (Carlos Drummond de Andrade)

 

segunda-feira, 19 de março de 2012

Amanhã tem novidades...

Boa tarde queridos e queridas!!!
Cheguei logo após do almoço da minha querida viagem com o amado!
Nem preciso falar que foi muito bom né.

Mas todas as novidades, contarei amanhã, só passei mesmo para dar um grande OIIIII, e deixar um beijo enorme com muita serenidade e paz para todos vocês.
Um ótimo inicio de semana, e passem aqui amanha para conferir as novidades..

Grande beijo
SPH

quinta-feira, 15 de março de 2012

Só por hoje



Só por hoje eu não vou deixar minha co-dependência se manifestar, nem se quer falar!
Percebi, para ser mais precisa ontem, que minha co-dependência está se manifestando sutilmente.
Mulher ela tem umas paranóias por si só, encana numas coisas, que meu Deus, ninguém merece; e ainda quando é co-dependente, piorou... hahahahaha
Não, eu não estou depreciando as mulheres, mas é uma realidade.
Infelizmente a co-dependência nos faz pensar em droga, em recaída quando tudo está bem.

Segundo o amado, a mãe dele está sentindo falta da droga dela, que é ele. E é uma verdade, porque ela está se vendo sem ele para controlar, perturbar, para saber se realmente está limpo ou se está usando droga.

Eu já falei isso aqui, eu não quero ser assim, encanada numas coisas nada vê, mas ontem, aconteceu de novo.
Sai da faculdade, sentei lá fora, estava ouvindo uma música, e pensando na vida, nos últimos acontecimentos, ai olhei para céu, agradeci por mais um dia, agradeci pela vida do meu querido amor, que só por hoje ele conseguiu se manter limpo.
Só que antes disso, eu havia falado com a minha mãe, e ai ela falou, que horas que ele havia chegado em casa de manha, e que ele não quis comer, porque segundo ele, havia passado na casa dele, para cuidar dos passarinhos e comeu.
Na hora, eu nem encanei, mas depois que eu estava lá fora eu lembrei disso.
Que zica, nem queria ter lembrando justamente da parte “ele não quis comer”; porque eu me lembro que todas as vezes que o amado consumia, ele não almoçava, não comi nada, se fosse comer era bem de noite ou só no dia seguinte.
Ai gente, me deu um negócio na hora, recaí.
Liguei para minha mãe e perguntei que horas que ele foi dormir (me mata de vergonha), ela falou que não sabia, pois estava muito calor.
E ai que o coração disparou mesmo. Jesus do céu.
E daí veio àqueles típicos pensamentos insanos, “será que ele usou ou não usou”, “acho que usou”...

Parei, respirei fundo, e falei comigo mesma: O que isso? Para que essa necessidade de sabe se usou ou não? O que vai mudar?
Pensamentos eram, só por hoje, só por hoje, só por hoje...

Ai eu fui me acalmando, tive o controle novamente em minhas mãos e pensei, “como você é insana, não vai mudar nada, se ele usou ou não, a recuperação é dele, a sua você não pode parar”.

É incrível que se você não cuidar, a co-dependência te domina de tal forma, que te leva à loucura.
Eu louvo a Deus, por um dia ter encontrado ajuda, por um dia saber que a co-dependência pode ser controlada, não sei o que seria de mim.

A caminho de casa, liguei para o amado, como de costume, e conversamos sobre algumas matérias da faculdade, sobre o trabalho dele, e no final ele disse que dormiu o dia inteiro.
Cheguei em casa, nada de furacão, nada de tempestade.

A tempestade, era na minha cabeça!

Tem que ser só por hoje mesmo!
E só por hoje vou focar na minha recuperação.

“Só por hoje não vou ter medo. Muito em especial não vou ter medo de apreciar a beleza e de acreditar que aquilo que eu der ao mundo, o mundo me devolverá.
Só por hoje tentarei viver somente este dia e não tentarei solucionar todos os problemas da minha vida de uma só vez”.

Concedei-me Senhor serenidade para aceitar as coisas que não posso modificar, coragem para modificar aquelas que posso, e sabedoria para distinguir umas das outras."

Serenidade, Coragem e Sabedoria a todos nós!

quarta-feira, 14 de março de 2012

Mais um dia



Olá meus queridos e queridas seguidores, tudo bem?
Hoje acordei cansada, cheguei tarde da faculdade, mas graças a Deus tem sido bom, já tenho um trabalho para fazer.

Meu amado segue firme na sua recuperação, e só por hoje está limpo!
Hoje cedo nos falamos, ele estava indo para casa (ele trabalha na madrugada), mas não ia dormir, ia correr. Fico feliz com essa disposição dele, pois fazia alguns dias que não o via assim por conta de sua adicção ativa.
Como disse, ele gosta de praticar esportes, mas usando droga, não há disposição.
E graças a Deus aos poucos ele está retomando suas atividades, colocando sua vida em ordem, e fico feliz por isso.
Sua mãe, deu um pouco de sossego, está querendo se aproximar dele, mas ele falou que não quer muito contato com ela.

Eu estou bem, a crise de enxaqueca já passou. Durou até segunda, por conta disso nem fui à faculdade.
Para quem não sabe, eu faço tratamento para enxaqueca, pois a tenho desde dos 15 anos, e acabou virando uma dor crônica, e comecei meu tratamento em 2010. Demorou um bom tempo para eu descobrir, o que realmente levava a ter essas crises; e no ano passado, descobri que tenho um distúrbio de serotonina, que é um neurotransmissor, eu tenho a falta dele.
A enxaqueca é algo hereditário, várias pessoas da minha família tem, e no ano passado tive a descoberta da causa.
A falta desse neurotransmissor pode resultar em carência de emoção racional, sentimentos de irritabilidade e menos valia, crises de choro, alterações do sono e uma série de outros problemas emocionais.
Para controlar as crises e o distúrbio, eu tomo dois medicamentos, um é o Topiramato (Amato), conhecido em algumas clínicas de recuperação, pois alguns pacientes fazem o uso dele (o amado quando ficou internado fez o uso), mas eu não sei para que fim eles usam. E também tomo um manipulado, é composto de 4 medicamentos, que eu não me recordo os nomes.
Mas, desde de janeiro, percebi o aumento das dores, tenho tido dores freqüente, então resolvi marcar um psiquiatra, porque alguns remédios da psiquiatria tratam o distúrbio de serotonina, como a Fluoxetina.

Confesso que um dos problemas é o sono, gente, como eu sinto sono, e às vezes, durante a madrugada eu acordo e fico sem dormir e também tenho sentimentos de irritabilidade. Sentimentos normais, mas às vezes percebo que ele chega ao extremo.
Por isso, nas férias, marquei o médico.

Já está tudo certo para minha “pequena” comemoração com o amado, estou ansiosa. Até sonhei com isso essa noite...hahaha
Eu estou feliz, pela sua recuperação, pela minha, pelo nosso relacionamento, pois contudo isso o diálogo entre nós melhorou, e afirmo “diálogo é o petróleo do futuro (frase de um palestrante).
Nossa relação melhorou também, porque ele está limpo? Também, mas são as bases do relacionamento que tem que ser fortalecidas ao longo do tempo, e graças a Deus estamos conseguindo fortalecê-las.

Até quando isso vai durar? Não sei. Vou continuar vivendo um dia de cada vez, mas espero que dure longos dias, meses e anos.
E só por hoje eu quero ser feliz ao seu lado.
E desejo que vocês sejam feliz!

♪ Nessa maré mansa, a gente pode ser dar bem,
    Nesse sol brilhante, a gente pode recomeçar.  (Maré Mansa – Nengo Vieira)


segunda-feira, 12 de março de 2012

Não entendo


Graças a Deus, mais uma semana, e enfim, sexta-feira minhas férias. Nem preciso falar que estou ansiosa.

Final de semana foi proveitoso, o amado segue sua caminhada, se mantendo limpo, só por hoje!
Percebo que esses dias ele tem se irritado facilmente, e tem me falado, que nos últimos dias a vontade de usar tem sido intensa, mas que ele tem conseguido se segurar. Glória a Deus!
Na sexta-feira ficamos em casa.
No sábado de manha sai com os meus pais e ele foi trabalhar. Quando ele retornou à tarde, fomos ver um apartamento.
Adoramos, o apartamento é lindo, ótimo para recém casados ou investimento. O valor está um pouco salgado, mas para qualquer imóvel a ser adquirido, creio que está dentro.
O condomínio tem muitos atrativos, e é numa região tranqüila, segurança é ótima.
E saímos de lá, e entregamos nas mãos de Deus, que se tiver que ser, será.
No meio do caminho viemos conversando sobre economia, falei sobre a matéria do Globo Repórter de sexta-feira.
E do nada, a empolgação acabou, quando falei que tínhamos que economizar para ter um futuro.
Suas palavras foram, que ele não consegue economizar com o que ele ganha, e além disso tem que pagar outras coisas, que não dá para comprar um apartamento daqueles.
Eu não entendi sua reação, até então estava tudo bem.
E ai, para completar, ouvi a seguinte frase: “você deveria procurar uma pessoa um pouco melhor para você se casar, que consiga te dar conforto, um apartamento bacana, porque comigo, acho que não vai dar certo”. Confesso que eu não suporto quando ele fala isso, para eu procurar uma pessoa melhor. Se estou com ele, foi uma escolha que fiz, e não me arrependo.
E o amo, acima de todos os bens materiais possíveis.
Ai, eu respondi: “tem hora que você só abre a boca para falar merda”. E daí ele passou no mercado e falou que queria comer um salgado, e eu fiquei chateada por ter ouvido aquilo.
Quando ele percebeu isso do jeito que eu estava, e quase chorando (eu sou muito sensível, e choro com facilidade. Não gostaria de chorar com tanta facilidade assim), ele desistiu de pegar o salgado, e na mesma hora falou que ia embora para casa dele.
Ai eu desabei a chorar. E comecei a questionar o porquê, e ele respondia que ia e pronto. Eu perguntava o que eu tinha feito, ele só respondia que ia embora.
Eu fui pegar no braço dele, para pedir que não fosse, e ele falou, não encosta em mim. Continuei chorando. E ele me levou para casa, parou em frente, mas eu não desci.
Eu o questionava, o porquê ele iria embora, e ele não respondia.
Eu não conseguia parar de chorar.
E na hora, eu falei: “me perdoa, e porventura eu fiz alguma coisa na boa intenção, e acabei sendo mal interpretada. Se eu faço as coisas, é por nós dois. Me perdoa”.
E ele em silêncio.
E eu falei de novo: “eu não sei o que eu fiz para você ficar assim comigo, mas eu não queria que você fosse embora, eu só tenho o final de semana para ficar com você”.
Ele respondeu: “você já me viu durante a semana”.
Eu: “eu só te vi uma vez, que cheguei mais cedo da faculdade, e sexta-feira, eu cheguei, e você estava dormindo e eu não quis te acordar porque eu sei que você estava cansado”.
Depois disso eu não falei mais nada, e ele ligou o carro e fomos no posto, ele comprou cigarro, mas a boca, fica perto do posto.
Ele entrou no carro, me viu de cabeça baixa, perguntou o que eu tinha, eu disse que nada e perguntei, você vai para sua casa mesmo? Ele respondeu que não.
Mas seguimos, como se fossemos para boca.
Na hora meu pensamento foi, ele quer usar. Era nítido sua vontade, mas fiquei quieta, esperei para ver.
Fizemos o caminho como se fossemos para lá. Para chegar, tinha que entrar na primeira esquerda.
Ele foi devagar com o carro, desarmou o resgate.
Foi indo devagar, e graças a Deus seguiu em frente.

Quando estávamos chegando perto de casa, ele falou, “vai entrar na sua casa com essa cara?”
Não respondi. E seguimos para minha casa.
Entramos, quietos, fui e deite no sofá, e lá fiquei. Éramos para ter saído com meus pais, mas nem saímos.
Fui para quarto, ele ficou na sala. Não nos falamos. Do nada ouço barulho no portão, ele saindo, e trancou a porta, e levou a chave.
Corri para janela e perguntei novamente, “onde você vai?”. Ele respondeu: “vou buscar um salgado”.
Comecei a chorar novamente. Não entendi porque não me chamou, porque sempre que ele vai buscar alguma coisa me chamar. Confesso que fiquei apreensiva, pelo fato de saber que estava com vontade de usar. E para o dependente químico, não precisa de muitos motivos para quere usar.
E orei, falei para Deus, que eu não queria mais chorar, que eu não quero ser tão sensível, que situações assim me deixam sem entender nada.
E depois ele chegou, mas não vi o estado como chegou.
Minutos depois ele foi no quarto. Eu estava deitada no chão, pois estava muito calor, e para ajudar, estava com enxaqueca.
Ai ele pegou na minha mão e falou, “amor, vamos lá na sala. Você está muito jururu. Você vai ficar assim comigo?”
Eu respondi: “Você sabe que eu não vou ficar”.
Ele perguntou: “Está com dor?”. Eu: “Sim, estou com um pouco”.
Ele: “eu quero ficar com você, mas você pelo visto quer ficar jururu”.
Eu respondi: “não, eu não vou ficar”.

Daí nos abraçamos, e nos beijamos, e assistimos TV e ficou tudo bem.
Nem eu entendi.
Depois disso tudo, eu comecei a questionar meu comportamento, se eu agi como uma co-dependente, se eu estava certa, se eu estava errada, se tinha necessidade de eu ter me chateado e chorado, se eu poderia ter sido mais dura comigo mesmo, muitos questionamentos se passaram pela minha cabeça.
Mas um deles foi, que eu não quero ser a pessoa a qual sabota a recuperação dele. Eu quero ser a pessoa a qual ele possa encontrar apoio, ajuda quando ele precisar. Eu quero ser a pessoa em que ele possa confiar em se abrir.
E por outro, eu até entendo sua irritação, por esse período de abstinência, creio que tem sido uma forte luta dentro dele.

Ainda no sábado, eu tive um crise muito forte de enxaqueca, fui para hospital, tomei muito soro.
Domingo de manha, o amado levantou às 6:00 horas da manhã, disse que iria correr, perguntou se eu queria ir junto.
Eu disse que não, expliquei tudo o que aconteceu na noite anterior, ele perguntou porque eu não chamei, respondi que não quis incomodá-lo.
Ele foi correr, passou na feira, comprou maracujá, comprou o jornal, tomou banho, almoçou.
Fomos ao shopping, compramos um presente para minha mãe, até ganhei um perfume importado dele! Ele até brincou dizendo que estou grávida, por conta dos enjoous da enxaqueca.
Passeamos bastante no shopping, comemos pão de queijo, tomamos chá.
E ele voltou a falar, que tem sentido muita vontade de usar droga, que às vezes o pessoal liga para ele, pedindo para ele levar para buscar droga. Ele fala que não, mas que se sente muito mal.
A luta tem sido muito grande, mas glória a Deus, porque creio que a vitória será maior ainda.

Eu ainda estou com dores por conta da crise, está controlada, mas me sinto muito zonza ainda.
Estou no trabalho, se caso não melhorar, pedirei dispensa.

Mas, contudo isso, fiquei pensativa com o meu comportamento, não quero ser uma “sabotadora” de recuperação.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Dia de sol


Eu hoje estou bem, mas já estive mal. Sou dia de sol, mas já fui temporal, fui barco a deriva, fui noite sem lua, verão sem calor.
Hoje eu sou verdade, mas já fui engano. Já fui fonte seca, hoje eu sou oceano.
A alma ferida, coração quebrado, Jesus consertou
!”. (Dia de Sol – Gerson Rufino)

Eu dedico essa música a todos adictos em recuperação e ativos. Dedico também a todos co-dependentes em recuperação e ativos também.
E dedico principalmente ao grande amor da minha vida! O homem que eu tenho como companheiro, confidente, amigo, um anjo, um grande amor. Um homem que Deus me ensinou acreditar no potencial dele e tem se tornado um referencial a cada dia que passa, pela sua luta, esforço, entre outras qualidades.

Eu vejo essa música como a mais pura realidade, quando estávamos ativos e depois encontramos recuperação.
Um dia todos nós estivemos mal, causamos temporal, fomos um barco a deriva, tivemos noites sem lua e verões sem calor. Um dia todos nós fomos enganos, fomos uma fonte seca, uma alma ferida e um coração quebrado. E graças a Deus, encontramos a serenidade, encontramos a sanidade novamente, encontramos o Poder Superior, o qual eu chamo de Jesus Cristo, que consertou tudo isso, e hoje estamos bem, hoje temos luz própria igual ao sol, hoje somos noites bem luminosas e verões calorosos. Hoje nossas vidas são construída na base da verdade, hoje podemos dar água da pequena fonte que temos dentro de nós.
Hoje o nosso barco navega no oceano de nossas almas. Hoje nossas almas estão reparadas, corações consertados.
Que bom que tudo mudou!
Se ainda não mudou, creio que pode mudar, é só você querer!

Cada um sabe da onde saiu, de quantas foram as lutas para chegar até aqui; mas perai, estamos no começo do ano. Sim, mas todo dia, é dia de lembrar de onde saímos para nunca mais voltarmos.
Todo arvoredo sem raiz é podre

Se a vida está ruim, volte a viver hoje!
Ainda dá tempo.
Ainda dá tempo de desfrutar das coisas que a vida de proporciona.

Agradeço a todas (os) vocês que tem incluído o amado e a sogra em vossas orações, e tenho certeza que a vitória é certa!
E peço para Deus retribuir cada uma de você 100 / 1000 vezes mais do que eu sou e serei abençoada.

Ontem foi ótimo o dia, o amado já esta melhor! Não está mais para baixo. Ele veio aqui no trabalho pegar um dinheiro para o conserto do carro, e pudemos conversar um pouco.
Graças a Deus não usou nada, me mandou uma mensagem linda pelo dia da mulher! Confesso que eu também queria ter ganhado flores (como alguma de vocês, se bobiar todas), mas não ganhei!
Mas aprendi uma coisa, invés de tentarmos fazer os amados adivinhar o que queremos, é melhor falar de uma vez, que gostaríamos de ganhar flores, presentes, etc.
Tem homem que é mais romântico, outros já é mais desligado.
A dependência química, acaba tirando esse lado do homem, e às vezes ele acabam nem se percebendo esses “detalhes”, então, é muito importante o diálogo, falar os nossos gostos, desejos, sonhos, e creio que com o tempo, o Poder Superior irá restaurar todas as áreas e até essa.

Hoje já nos falamos, está bem, até marcamos uma corridinha na lagoa para sábado ou domingo e depois uma visita para o amigo dele do NA.
Estou animada, sai da academia o ano passado, mas sinto falta das minhas aulas de spinning.
E nada melhor fazer exercícios para liberar endorfina, ficar com o corpo bonito (porque eu estou precisando perder uns quilinhos, 2kgs para ser mais exata). Só não sei se vou conseguir dar uma corridinha, mas vou tentar um trotezinho..rs
Mas, tentaremos.
E quero voltar essas atividades, pois sei que o amado gosta de me fazer fazendo exercícios, que apesar da sua adicção, ele é geração saúde na parte de exercícios.

Sexta-feira que vem estarei entrando de férias, alegria master!

Enfim queridos e queridas, por hoje é só.
Um bom final de semana para vocês, com muita paz, serenidade! E... Sejam sábios em suas palavras!
Só por hoje.

Até o tolo, quando se cala, será reputado por sábio...” (Pv 17.28)



quinta-feira, 8 de março de 2012

Parabéns Mulheres !

Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de finas jóias.” (Pv.31:10)

Feliz dia das mulheres! Essas guerreiras, mãe, esposa, namorada, irmã, avó, tia, amiga! Parabéns a todas você! Uma rosa e um beijinho para cada uma de vocês; continuem firmes e fortes na rocha.
Posso falar que estou adorando minhas aulas de economia e contabilidade! Que Mara! Eu tinha que compartilhar isso com vocês...hahahaha
Graças a Deus as coisas estão bem, o amado é que não está legal!
Cada hora é um episódio novo da sua mãe, e vejo o quanto isso tem afetado ele. Glória a Deus que só por hoje ele está limpo, tem conseguido manter o foco, mas confesso que vê-lo chateado, cabisbaixo é algo que me deixa tão triste.

Ontem sai mais cedo da facul, e aproveitei para vê-lo, estava com muita saudade dele, e quando cheguei, ele estava jantando, muito quieto, reservado, poucas palavras.
Tenho percebido que o conflito interno é grande, como o externo também. Creio que é por conta da abstinência, mas ele tem se mantido forte.
Mas, sua mãe, o desmotivou tanto! Só Deus.

Na terça-feira, ele foi para sua casa, para ver os pais, foi ao médico, e depois retornou para sua casa, mas foi tão mal recebido.
Ele estava conversando com o pai sobre as despesas do carro, e a mãe ouviu e começou a gritar falando que não vai ajudá-lo, sendo que ele não pediu nada.
E ele falou que ia embora, daí começou os “elogios” dela: “você vai morrer logo, você vai morrer de overdose, não se preocupa não”, xingamentos como esse e muito mais.
Na hora ele me ligou, estava bem mais agitado, ele disse que respondeu que não irá morrer de overdose que parou com as drogas. Eu apenas respondi, vai para casa (minha casa), descanse, que a noite você irá trabalhar, e foque na sua recuperação. Esqueça as palavras dela, o mundo dá voltas.
Mas percebi sua chateação, agitação, uma mistura de tudo.
Naquela hora, só pude pedir a Deus que o abençoasse e o levasse em paz até em casa.
Ele chegou bem, não usou nada.

Mas percebi que sua chateação está até agora. O detalhe que não tem nem o que falar.
Apenas falei para ele relevar, não levar em contas as palavras.

Hoje ele já está mais animado, me mandou uma mensagem linda, foi na cidade, correu atrás de algumas pendências do carro. Mas, ainda fico pensativa, pois ontem ele não quis conversar, conversou pouco, até encanei que era comigo, ele disse que não era.
Ele só passou na casa dele para pegar uns remédios e roupas.

Mas é tão triste, e mostra que quando manuseamos mal as palavras, elas podem nos motivar, levar nossa auto-estima lá em cima ou pode até nos matar.

As minhas palavras de hoje é que pensem muito antes de falar, principalmente para as pessoas que estão buscando recuperação.
Eu me sinto mal de vê-lo assim e não poder fazer nada, mas infelizmente, ele tem que aprender a superar isso, fará muito bem para o crescimento dele.
Seja sábio em suas palavras!

Eu tenho por certo, que o principio da sabedoria começa nas palavras e na colocação das mesmas” (M.R.L)

Peço a gentileza, nas orações de vocês, coloque o amado e a mãe dele, para que haja harmonia nesse relacionamento, e que ela possa vir buscar recuperação, que ela está sofrendo, mas ainda não viu isso ou está mascarando.
Thank you, girls!

E pra vocês mulheres, um pequeno texto:

“Mulheres fracas, fortes.
 Não importa.
 Mulheres mostram que mesmo através da fragilidade.
 São fortes o bastante para erguerem sempre cabeça
 Sem desistir, pois sabemos que somos capazes de vencer.
 Temos a delicadeza das flores
 A força de ser mãe,
 O carinho de ser esposa,
 Reciprocidade de ser amiga,
 A paixão de ser amante,
 E o amor por ser mulher!
 Somos fêmeas guerreiras, vencedoras,
 Somos sempre o tema de um poema
 Distribuímos paixão, meiguice, força, carinho, amor.
 Somos um pouco de tudo
 Calmas, agitadas, lentas!
 Vaidosas, charmosas, turbulentas.
 Mulheres fortes e lutadoras.
 Mulheres conquistadoras
 Que amam e querem ser amadas
 Elegantes e repletas de inteligência
 Com paciência
 O mundo soube conquistar.
 Mulheres duras, fracas.
 Mulheres de todas raças
 Mulheres guerreiras
 Mulheres sem fronteiras
 Mulheres... Mulheres..."

 

quarta-feira, 7 de março de 2012

Um mal oculto



Quanto mais a conheço, mais me assusto.
Gente, como pode, uma doença ser tão pouco divulgada, e segundo uma matéria que eu vi, afeta 25% das mulheres, mas existe tratamento.

Co-dependência! Ela mesmo, que às vezes nos machuca tanto, e nem sabemos quem ela é.
É difícil ver em homens, mas existe também, porque geralmente quando se convive com um adicto, quem sempre toma as rédeas da situação é a mulher, por conta disso acaba sendo prejudicada. O pai, na maioria das vezes só acaba acatando ou tendo uma posição indiferente, ríspida.

A mulher ela tende a ser um pouco mais carinhosa, mais sentimental. Uma vez eu li um livro que falava, que a maioria das mulheres, tem uma fantasia do homem ser o príncipe encantado, e às vezes a fantasia é tão grande, que acaba se esquecendo que os defeitos existem, acabam se casando e tendo um relacionamento frustrado por conta dessas fantasias. Loucura né!
São casos e casos.


Vocês tem acompanhado os capítulos da co-dep da minha sogra. Esses últimos dias não falei com ela, apesar de ter um acontecido um episódio com o amado muito chato, e sei que até agora ele esta mal com isso, mas, graças a Deus só por hoje ele está limpo.
Mas tem sido uma batalha árdua, e tem sido bom evitá-la e o meu tempo está muito corrido. Falando nisso...Antes de falar sobre esse assunto, primeiramente, quero falar que está tudo bem, graças a Deus, estou numa correria que só, dormindo pouco, trabalhando e estudando bastante. E agora tenho revisado todo conteúdo estudado na faculdade aqui no trabalho, então estou quase sem tempo para postar, mas calma, não irei abandonar o blog e nem quero, que vocês são minhas forças virtuais!
Se porventura eu ficar um ou dois dias sem postar, é devido à correria mesmo.
Mas quer saber, tem me feito bem essa correria inteira, apesar do cansaço!
Voltando ao assunto de co-dependência, é muito importante reconhecer, admitir.
Por diversas vezes, minha sogra me ligou falando, “nossa hoje ele esta impossível”, mas na real, sempre estará, porque nem eu e nem ela iremos conseguir ter o controle dessa situação. Jamais conseguiremos tirar a vontade dele usar droga, é algo que sempre estará presente na vida dele, que ele terá que se adaptar, e ter uma vida regrada para sair desses pensamentos. Pessoas, lugares, hábitos, os fazem lembrar da vida ativa, é muito importante que tanto nós co-dependentes venhamos os ajudar a evitar pessoas, lugares, hábitos, que assim possamos dar o apoio que eles precisam. Mas impedir de usar drogas, jamais conseguiremos. Lembrando que a escolha de buscar recuperação tem que partir dele, e não de mim.E evitar P.L.H também é escolha da pessoa, se ela aceitar, ai sim podemos ajudá-las.

O relacionamento entre a família e o adicto é uma relação extremamente dolorosa. A família sente as dores do fracasso, da vergonha, do preconceito. Sente-se às vezes traída por quem elas mais amam, mas também o adicto tem suas dores. Ambos buscam um meio eficaz de como sair desta dor.
A primeira fuga da família, é a negação, ela tem certeza que todos os filhos dos vizinhos tem problemas, menos o seu (cuidado, às vezes é melhor ter um inimigo dizendo aos pais que seu filho usa drogas); depois da fase da negação e a realidade vindo à tona, refugiam-se então no circo do desespero. E por último a tendência por parte da família é agressividade e muitas cobranças
”.* 


É muito difícil aceitar isso do ente querido, são muitas as perguntas, e ai vira uma confusão na mente, então a melhor maneira de poder entender isso tudo é procurar um grupo de ajuda ou continuar tentando entender.

 Muitas de nós achamos que o nosso amor seria capaz de ajudá-los a sair dessa vida, que poderia ser diferente, mas nos enganamos. Que bom que não perdemos o amor e ainda estamos ajudando. O problema é quando perdemos o amor próprio.

Quando deixamos de viver nossas vidas, para viver em função do adicto.
O adicto ativo precisa de ajuda, mas convencê-lo a buscar recuperação, não é nossa parte, e sim do Poder Superior. Até porque, “santo de casa, não faz milagre”, e pode ter certeza que o adicto não vai querer te ouvir, por quê?
Exemplo: A criança está comendo um doce que ela gosta muito, vai e tira o doce da mão dela. Ela não irá chorar, fazer birra, etc?
Assim é o adicto, quando nós queremos que eles parem do usar drogas, quando eles querem usar; só que é um pouquinho mais avançado o comportamento.
Por isso, eu repito mais uma vez, é importante buscar ajuda, aconselhamento.
Não adianta querer enfiar a recuperação no adicto, tem que partir dele, apesar da dor, do sofrimento e todo conjunto que conhecemos, a escolha é dele.


Sintomas de co-dependência

A co-dependência se caracteriza por uma série de sintomas e atitudes mais ou menos teatrais, cheias de Mecanismos de Defesa, tais como:
1. - Dificuldade para estabelecer e manter relações íntimas sadias e normais, sem que grude muito ou dependa muito do outro;
2. - Congelamento emocional. Mesmo diante dos absurdos cometidos pela pessoa problemática o co-dependente mantém-se com a serenidade própria dos mártires;
3. - Perfeccionismo. Da boca para fora, ou seja, ele professa um perfeccionismo que, na realidade ele queria que a pessoa problemática tivesse;
4. - Necessidade obsessiva de controlar a conduta de outros. Palpites, recomendações, preocupações, gentilezas quase exageradas fazem com que o co-dependente esteja sempre super solícito com quase todos (assim ele justificaria que sua solicitude não é apenas com a pessoa problemática);
5. - Condutas pseudo-compulsivas. Se o co-dependente paga as dívidas da pessoa problemática ele “nunca sabe bem porque fez isso”, diz que não consegue se controlar;
6. – Sentir-se responsável pelas condutas de outros. Na realidade ele se sente mesmo responsável pela conduta da pessoa problemática, mas para que isso não motive críticas, ele aparenta ser responsável também pela conduta dos outros;
7. - Profundos sentimentos de incapacidade. Nunca tudo aquilo que fez ou está fazendo pela pessoa problemática parece ser satisfatório;
8. – Constante sentimento de vergonha, como se a conduta extremamente inadequada da pessoa problemática fosse, de fato, sua;
9. – Baixa auto-estima;
10. - Dependência da aprovação externa, até por uma questão da própria auto-estima;
11. - Dores de cabeça e das costas crônicas que aparecem como somatização da ansiedade;
12. - Gastrite e diarréia crônicas, como envolvimento psicossomático da angústia e conflito;
13. - Depressão. Resultado final.

Parece um nobre empenho ajudar a outras pessoas que se estão se autodestruindo, como no caso dos alcoolistas ou dependentes químicos, do jogo ou do sexo compulsivos. Entretanto, se quem ajuda se esquece de si mesmo, se entrega à vida da outra pessoa problemática, então estamos diante da
Co-dependência. A dor na co-dependência é maior que o amor que se recebe e se uma relação humana resulta prejudicial para a saúde física, moral ou espiritual, ela deve ser desencorajada.                        

Na realidade a co-dependência é uma espécie de falso-amor, uma vez que parece ser destrutivo, tendo em vista que pode agravar o problema em questão, seja a dependência química, alcoolismo, transtornos de personalidade, etc. Todo amor que não produz paz, mas sim angústia ou culpa, está contaminado de co-dependência, é um amor patológico, obsessivo é bastante destrutivo. Ao não produzir paz interior nem crescimento espiritual, a co-dependência cria amargura, angustia e culpa, obviamente, ela não leva à felicidade. Então, vendo desse jeito, a co-dependência aparenta ser amor, mas é egoísmo, medo da perda de controle, da perda da relação em si.                              


Recuperação da Co-dependência
                        

A co-dependência também pode ser agravante e desencadeante de depressão, suicídio, doenças psicossomáticas, e outros transtornos. Os grupos de ajuda para familiares de dependentes (químicos e alcoólicos) visam, principalmente, reverter este quadro, orientando os familiares a adotarem comportamentos mais saudáveis. Os profissionais acham que o primeiro passo em direção a esta mudança é tomar consciência e aceitar o problema.                 

O tratamento da co-dependência pode consistir de psicoterapia, grupos de auto- ajuda, terapia familiar e em alguns casos, antidepressivos e ansiolíticos. Os grupos de auto ajuda para familiares de dependentes, tais como, Alanom e Codependentes Anônimos são de grande utilidade no processo de recuperação familiar da co-dependência.*  


Esse texto todo serve para mim, serve para todas nós que convivemos com um adicto ou que um dia fomos adicto podemos nos tornar co-dependentes.

Apaixone-se por você mesmo. Ame-se primeiro para depois dar amor.
Não viva em função do adicto, até porque ele é escravo de uma droga, e você será igual a ele. A sua droga será o adicto.
Haja diferente, busque aconselhamento, busque ajuda.
Uma relação, seja ela amorosa, familiar, acaba nos machucando de alguma maneira, então, trate as feridas, para depois ajudar o ferido.


Uma vida serena, de amor e paz, com você mesmo!


Com o tempo,você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa,
você precisa,
em primeiro lugar,
não precisar dela.
Percebe também que aquele alguém
que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você,
definitivamente não é o alguém da sua vida.
Você aprende a gostar de você,
a cuidar de você e,
principalmente,
a gostar de quem também gosta de você.
O segredo é não correr atrás das borboletas…
é cuidar do jardim para que elas venham até você”. (Mário Quintana)










segunda-feira, 5 de março de 2012

Decisão


Graças a Deus começou mais uma semana e as férias estão chegando (faltam 11 dias), e eu posso dizer até aqui o Senhor me ajudou! Quando acontece uma recaída, parece que passa um furacão, e depois vem o período de recomeçar, e às vezes nem sempre é fácil recomeçar.
Sábado pela manhã, a minha sogra me ligou, como sempre reclamando, dizendo que mandou o embora, que isso e aquilo. Beleza, reclamar até que vai, agora mentir alguns pontos para eu ficar contra ele, ai já é demais né. E ela fez isso, e como eu não suporto; é muita falta de respeito com o próprio filho, tudo para eu ficar contra ele, do tipo “se ela não fica por conta da dependência química, ela vai ficar por outro motivo”.
Deixei ela falar, e ela me cobrava respostas, e eu falei, as respostas que você me cobra da recuperação dele, eu também quero saber, mas SOMENTE ele poderá responder sobre sua recuperação, porque a recuperação é dele.
Ainda de manha ele não estava bem, desde de quinta-feira usando. E logo depois que ela desligou, ele me ligou, perguntando por que não liguei para ele, eu respondi, porque sabia que você não estava legal, e resolvi deixar você quieto, ele respondeu que ainda não estava bem e que estava indo para minha casa.

Conversamos muito sobre sua dependência química, sobre minha co-dependência, e de sua mãe; disse que agora sua mãe deu de segui-lo, para ver se ele vai em tal lugar mesmo ou se vai comprar droga. E na sexta-feira, segundo ele, já tinha passado o efeito, e ele estava com fome e foi comer um lanche, e ela implicou com isso, começou a discutir, e ele saiu para buscar o lanche mesmo assim e ela foi atrás, falando que ia alugar um filme, sendo que foi segui-lo.
Está cada vez mais crítica a situação, procuro ouvir ambas as partes. É claro que o amado tem sua parcela de culpa, como ela também tem, mas ultimamente ela está extrapolando.

No sábado, falei para ele voltar a fazer terapia com o psicólogo, se possível com o da última clínica em que ele ficou, pois já conhece todo histórico, só que segundo ele, quando ele fazia terapia, a mãe ficava ligando para o psicólogo para saber o que o filho falava, e o médico respondeu que por ética médica não iria falar, e o tormento dela foi tanto em querer saber o que se passava, que o médico optou por não atendê-lo mais.

A mesma coisa foi quando ele ficou na clínica, isso eu presencie. No final do seu tratamento, ele saia para re-socialização, ele vinha pelo menos um final de semana e no outro não, e ficava um dia comigo e outro com ela. E ela não queria que ele ficasse comigo. E em um desses finais de semana, era meu aniversário, e ele saiu, e passou o final de semana comigo inteiro e só deu uma passada na casa dele. Ela não gostou, ao ponto de ligar no convênio e suspender o tratamento dele na clínica.
Quando ele voltou para clinica, o responsável perguntou se ele estava bem, se estava gostando do tratamento, e falou, que o convênio havia suspendido a estadia dele na clínica e que ele teria que sair, que só podia no máximo ficar 10 dias.
No meio dessa confusão, um responsável da clínica, falou que a mãe dele havia discutido lá, falou que não ia pagar mais, que no período de saída dele, eles estavam cobrando, e isso era errado.
Ok, ele saiu, antes de terminar o tratamento dele. Algumas semanas depois, ele recaiu. E no dia da sua recaída, ela falou que iria interná-lo novamente.
E no meio da conversa ele a questiona, falando que semanas antes o convênio havia cancelado a estadia dele na clínica, e agora eles liberaram e ele poderia ficar um ano, como isso?
E daí, só veio a confirmar, que ela manipulou sua saída.

Meus queridos e queridas leitoras, peço a ajuda de vocês e a ajuda de Deus para me ajudar e ajudar o amado e nos direcionar no que fazer em relação a toda essa situação, pois sua co-dependência está demais, e ela por hipótese alguma pensa em buscar ajuda, pois falar que o único doente é o filho.
Graças a Deus ele tem buscado recuperação, fomos à igreja esse final de semana, mas ele disse que não quer mais ficar na sua casa, mas ainda não sei se seria uma boa idéia.
Apesar dele já ter morado sozinho, ficou muito tempo limpo, acho que 2 anos, e só no final da mudança dele de volta para Campinas que ele desandou.

Ontem, na igreja, o culto terminou um pouco tarde. E ela não parava de ligar desesperadamente no meu celular, no celular dele, e quando ele atendeu, ela perguntou “o que você está aprontando?”, ele respondeu que o culto havia terminado um pouco mais tarde, e ela debatendo falando que não, ele estava aprontando alguma coisa.
Naquela hora, eu percebi que ele ficou um tanto exaltado, e começou a me falar, “poxa vida, eu vou à igreja, eu estou buscando recuperação e minha mãe liga falando isso”; apesar de nós co-dependentes acharmos que temos todos os motivos do mundo, mesmo assim, devemos manter a serenidade e a calma, e perguntar numa boa, não chegar intimando.
Confesso que eu fiquei um tanto preocupada, pois senti que sua exaltação estava bem alta, e até cheguei a pensar que ele ia querer usar.
Ai foi a onde que eu falei para ele relevar, que ela está doente, que às vezes faz isso inconsciente, e se fizer consciente, Deus estará cuidando, que ele tem que focar na sua recuperação, de não subir no ringue, ficar debatendo, que o prejudicado será ele.

E o amado está nesse impasse, porque ele quer se manter limpo, mas infelizmente sua mãe tem sabotado sua recuperação.
Ele está em casa, está bem, mas ela tudo quer saber. Se ele está bem, ela liga até tirar a paz, até ele usar droga, e é complicado essa situação. Ele tem e precisa ser forte nesse momento.
Ele precisa se tratar, como ela também, como eu também.
Mas confesso, que tem horas, que me sinto perdida.

Graças a Deus, temos bastante diálogo, conversamos muito, mas depende dele se recuperar, dele buscar recuperação, que eu busco a minha.
E sem querer, sua mãe na co-dependência crônica acaba afetando-o e me afetando, e é ai que mora o “X” da questão.
Eu gostaria de saber da opinião de vocês (na multidão de conselhos, há sabedoria).
Eu não vou abandoná-lo, não tenho a mínima intenção. Tenho fé em Deus na sua recuperação, que seus dias limpos estão próximos.
Sábado e domingo, veio uma palavra de edificação e motivação e me animou muito.
E o que mais me admira, que apesar de nossas falhas, Deus ainda tem um amor, um carinho, um cuidado conosco. E eu só tenho que agradecer a Deus por isso, que sem Ele, sem ajuda Dele, eu não conseguiria.

Eu estou aqui para aprender com vocês e quero poder também pelo menos uma vez ensinar algo bom para vocês, que só o carinho que vocês têm por mim é uma grande gratificação.
*E agradeço muitoooooo por todos os comentários do post anterior, que foram palavras que me AJUDARAM muito. Muito obrigado mesmo, e conte comigo sempre que precisarem.
E aqui vocês tem toda liberdade de expressão, e vamos aprender JUNTAS com nossos erros e acertos.
E eu creio que é o desejo de muitos, ou todos de sermos felizes, sem drogas.
Termos uma vida serena, desfrutar do melhor que Deus tem reservado para cada um de nós.
Apesar dos nossos defeitos, precisamos enxergar que somos pérolas únicas no teatro da vida e entender que não existem pessoas de sucesso e pessoas fracassadas. O que existem são pessoas que lutam pelos seus sonhos ou desistem deles”. (Augusto Cury)